Arquivo da tag: Ovo de codorna

Jantar de fim de ano da Confraria Velusué: inspiração para a semana após muita comida e belos vinhos!

Poucas coisas são mais divertidas do que quando um grupo de pessoas amigas se reúne para beber e comer bem. É garantia de bons momentos e muitas risadas. Este é o princípio que rege a Velusué, confraria de vinhos para a qual fui convidado pela minha sogra Marcia. Os encontros, este foi meu terceiro e os outros dois vocês relembram aqui e aqui, são sempre extremamente divertidos e acima de tudo saborosos.

Este ano, pela primeira vez, o presidente e chef Beto abriu sua cozinha para demais membros. E mesmo sendo um calouro tive a honra de passar a tarde por lá, acompanhar a finalização de muitos amuses e pratos e dar minha contribuição com os cogumelos do Que Marravilha!. Foi uma tarde especial.

Neste post não teremos receitas. É para servir apenas de inspiração. Daqui podem sair ideias de apresentação e também de pratos. Alguns aprendi e futuramente com certeza colocarei no blog. A mesa de antipasto, por exemplo tinha um belo hummus caseiro, babaganuche, punheta de bacalhau, tomates secos que foram hidratados em casa com azeite aromatizado, rolinhos de berinjela com ricota temperada…

20131214_214928 20131214_212034

Este mereceu um close e será reproduzido aqui em casa, e consequentemente no blog, ainda este ano. Alhos confitados em azeite com alecrim, tomilho e pimenta rosa. Espetacular.

20131214_212116

O primero amuse da noite foi um gazpacho com manjericão macerado em azeite e mussarela de búfala. Outra que estará aqui no blog em breve.

IMG-20131216-WA0003

Em seguida creme de baroa feito com a água do camarão coroado pelo próprio camarão salteado com alho, pimenta rosa e coentro.

20131214_221022

O auge da noite, na minha opinião, foi a polentinha. Cremosa e saborosa em função do caldo de legumes caseiro, foi servida com uma gema crua de codorna e trufas negras. Absurdo.

20131214_223536

Outro ponto alto foi o chorizo português picante rapidamente salteado em frigideira com mel de figo, iguaria que não conhecia. Maravilhoso e um show de contrastes.

20131214_225248

Os principais foram três. O frango recheado com damasco e envolto em bacon ou presunto de parma veio com uma redução de mel, shoyu e suco de laranja.

20131214_230502

O bacalhau de forno vinha com cenouras, batatas e coroado por ovos batidos, parmesão e bastante azeite.

20131215_001739

Já os meus cogumelos foram servidos ao lado de escalopes de mignon com Aceto Balsâmico envelhecido.

IMG-20131216-WA0004

Nos vinhos, a foto mostra que a festa foi boa. Entre os espumantes destaque absoluto para o Salton Gerações Antônio Domenico Salton. Uma beleza de cor intensa e aromas bem interessantes. Nos tintos, fomos do Uruguai até a Austrália. Mas o destaque foram dois franceses. Um da região de Bordeaux, o Le Colombier de Brown. O outro foi o Le Château Musset Chevalier, um Saint Emilion Grand Cru. Espetacular.

20131215_022259

Espero ter inspirado os amigos e amigas leitores assim como fui pelo Chef Beto e seus confrades. Como disse, algumas das receitas em breve postarei aqui completinhas. Aqui a ideia foi só deixá-los com certa inveja. Uma boa semana a todos. Saúde!

Mais informações sempre na página do Facebook, E no Instagram (@GastroEsporte)!

Anúncios

Volta: o passado com toques modernos em uma tarde maravilhosa na casa com ar vintage

O nome é uma referência ao Venga!, casa de tapas espanholas dos mesmos sócios. Mas se ninguém me falasse pensaria que é pelo clima da nova empreitada. O Volta é um pulo ao passado sem esquecer o toque moderno. O bar no salão mostra um contraste das bebidas e do design com a decoração vintage e os produtos de mercearia com embalagens antigas. Aliás, este talvez seja o único toque atual. O resto, das receitas na parede, passando pelos bules esmaltados como lustre, pela louça onde chega a conta, e pelos pratos e guardanapos, tudo nos faz pensar na casa dos avós. E a comida. Ah, a comida!

20131203_144006 20131203_145319 20131203_144404

20131203_155543

No cardápio galinha com quiabo, salpicão de frango, língua, sardinha, fígado, carne assada… Tudo com cara de antigamente, mas com interpretações e toques modernos sem perder a essência. Sentei com Dona Cavalierona e o clima da casa ditou o tom da conversa. Minha mãe, de infância humilde, logo relembrou que na casa dos meus avós suã era algo comum assim como moela e sardinha… Recordou que o bule era daquele jeito por ser mais barato, que usava-se pano de prato para limpar a boca…

Mas a fome era grande e fomos explorando as opções. Começamos com duas porções dos canapés. E fui arrebatado por eles. Para mim as melhores comidas da tarde. O primeiro de moela com ovo de codorna (R$ 14 – quatro unidades). A moela de sabor marcante veio moída e coroada com um ovinho de gema mole impecável.

20131203_150344

Mas o de tapioca com sardinha marinada roubou a cena (R$ 14 – quatro unidades). Incrível. Um show de contrastes. Crocante da tapioca, macio e salgadinho do peixe, o docinho picante da geleia de pimenta e uma maionese de ervas que uniu perfeitamente o canapé. Maravilhoso.

20131203_150350

Fomos então para as entradas. E acabou que ficamos só nelas. Fartas e saborosas, as porções nos serviram de prato principal. A primeira de fígado com cenoura glaceada (R$ 24). É difícil achar um fígado bovino de qualidade para comprar e foi isso que encontrei. Iscas carnudas, um molho espesso, saboroso e envolvente que foi devidamente sugado por um pão rústico de muita qualidade.

20131203_145657

Em seguida o que foi nos apontado como uma das estrelas da casa: o quiabo com esfera de queijo (R$ 20). O vegetal vem grelhado com um gostinho queimadinho e com a baba aprisionada. Ao lado pimentas e pimentões picadinhos. Por cima um creme de queijo minas artesanal de sabor intenso e marcante. Tudo é incrível, da apresentação ao sabor.

20131203_152006

Finalizamos com mais uma entrada: o salpicão (R$ 26). Mas também tem uma bossa. A base é a de sempre: maçã, aqui em lâminas finas, cenoura, aipo, passas e o molho de iogurte unindo tudo. Mas o frango vem como item principal. São dois filés empanados com mandiopã que confere uma textura incrível ajudando a brincar com os contrastes. Extremamente criativo e diferente do que se está habituado.

20131203_153951

A vontade era continuar ali batendo papo, relembrando histórias e explorando o cardápio. O clima era esse. Mas não aguentávamos comer mais nada. E isso não foi um problema. Afinal de contas, a tarde foi extremamente agradável. E nos fez perceber mais um significado para o nome da casa. Afinal de contas, vai ser difícil não voltar. Até a próxima.

Volta
– Rua Visconde de Carandaí – 5, Jardim Botânico, Rio de Janeiro – RJ, (21) 3204-5406
Segunda a quarta das 12h à 0h, quinta a sábado as 12h à 1h e domingo das 12h às 18h. 

Mais informações sempre na página do Facebook, E no Instagram (@GastroEsporte)!