Arquivo da tag: Momo

Da Gema, Momo, Varnhagen e Benditho: as primeiras visitas do Comida di Buteco trouxeram alegria e decepção!

O primeiro fim de semana passou! Bastou ver pelas fotos no Instagram, além de comentários em Twitter e Facebook, que a sétima edição carioca do Comida di Buteco já mexeu mesmo com o dia a dia da cidade. E eu encarei meus quatro primeiros em um sábado de maçarico ligado. Ainda faltam muitos e a maratona promete ser longa. Mas vamos em frente que petisco gostoso e cerveja gelada não vão faltar! Abaixo fotos e comentários dos bares na ordem em que foram visitados.

Confira aqui a relação completa dos bares e seus petiscos para o Comida di Buteco

Bar Varnhagen

Este bar é quase uma instituição da cidade. Balcão clássico de vidro, bebidas variadas expostas, pastéis, salgados, cardápio do lado de fora escrito com giz… Mas mais do que a “roupa”, eram as criações e a impecável mão para tempero da simpática Dona Natalina que cativava um público fiel além dos que visitavam de vez em quando. No primeiro ano de Comida di Buteco sem a portuguesa no comando das panelas – ela faleceu no ano passado -, o petisco desenvolvido pela família e equipe do Varnhagen foi o Copa Cubana (R$ 28).

20140412_142307

É uma porção de copa-lombo de porco com banana milanesa e molho a base de maionese. A carne estava macia e bem temperada. A banana crocante por fora e macia por dentro. O molho tinha um tempero interessante. Mas no geral é um petisco comum, sem grandes invencionices.

20140412_143846

Benditho Bar

Acabou se mostrando a grande decepção do dia. O Risotinho dos Deuses (R$ 28) se trata de um arroz de abóbora com carne seca, coalho e couve refogada. A foto de divulgação está muito bonita. Mas ao pedirmos o prato não foi o que encontramos – basta comparar a primeira, que é a minha, com a segunda. O petisco chega no prato em uma forma retangular, coberta por um inexpressivo pedaço de queijo coalho frito. O arroz não tinha sabor de carne seca, que veio frita e insossa por cima. O único sabor presente era o adocicado da abóbora. É preciso ajustar muita coisa para obter algum tipo de destaque.

20140412_152546

1 BendithoBar_ Risotinho_Foto Marcos Pinto (2)

Da Gema

Mais um acerto deste bar que, entra ano e sai ano, está sempre citado entre os favoritos da competição. O Matuto trata-se de uma porção de filé de sobrecoxa de frango ensopado acompanhado de farofa de quiabo (R$ 25). O golaço do Da Gema já começa na apresentação. O prato chega embrulhado em um pano quadriculado com os garfos presos no nó, o que remete a clássica quentinha da roça. Ao desembrulhar, damos de cara com os nacos do frango em molho saboroso que lembra justamente comida de fazenda ou aquele que a mamãe fazia quando criança. E tem ainda o detalhe da pimenta que agora chega em uma latinha.

20140412_162530

Mas o melhor é justamente o acompanhamento. A farofa de quiabo está incrível e possui um show de texturas. A começar pela farinha de milho flocado que já é crocante por si só. Mas o quiabo chega em pedaços e no ponto ideal: sem baba escorrendo e contrastando com o frango macio. Uma beleza!

20140412_162633

Momo

Toninho, que comanda as panelas deste autêntico botequim, montou uma combinação que é simplesmente impossível de dar errado. O seu Farol de Milha (R$ 25), consiste em pedaços de carne assada cobertos com queijo meia cura e ovo caipira frito. Não há muito mais o que dizer. Vai lá ao Momo e seja feliz. Fure a gema incrivelmente saborosa e molhe a torradinha de alho que acompanha o prato na mistura dela com o molho da carne. Demais mesmo.

20140412_172505

 

E aproveite para provar o petisco que ele colocou no concurso paralelo do Doritos: costela desfiada coberta com creme de aipim e queijo parmesão. Uma beleza!

20140412_174106

Mais informações sempre na página do Facebook, E no Instagram (@GastroEsporte)! Até a próxima e vamos em frente nos balcões da cidade.

‘Quer ser feliz? Vá ao Momo!’ Agora entendi finalmente o bordão do amigo Gabriel da Muda. Que bar!

Outro dia o amigo Gabriel da Muda, hoje um dos grandes foodies do Rio de Janeiro (termo um pouco irritante confesso, mas que acaba representando bem os amantes da gastronomia que caçam bons lugares para comer e beber bem), postou em seu Instagram uma foto do espetacular frango assado do Rex, na Praça da Bandeira. Na legenda, uma espetada: “Beijo pros críticos de gastronomia que não atravessam o túnel”. Não sou tão radical, mas o fato é que existem grandes lugares para o lado de lá do Rebouças. Mas hoje vou ficar em apenas um deles: o Bar do Momo.

20140209_135656

O Momo conheci outro dia justamente com o Gabriel. Por ser quase um vizinho do bar, é um dos maiores frequentadores do local e acabou sendo indiretamente um divulgador das delícias que saem na hora da minúscula cozinha comandada pelo simpático Toninho ou pelo seu pai, o Tonhão. Cardápio? Esquece. Lá não tem. O que você encontra é o bom e velho boca a boca.

“E aí, Toninho? Tudo certo, meu camarada? Que que sai daí hoje?”. Essa frase é ouvida com frequência pelas mesas que ficam na calçada. Entre várias opções, uma é presença garantida faça chuva ou faça sol: o bolinho de arroz com linguiça. Frito na hora, como tudo por lá aliás, o bolinho é crocante por fora, cremoso por dentro, extremamente bem temperado e feito com muito esmero. O meu eu achava gostoso, mas vi que não chega nem perto (relembre aqui).

20140209_140750

É muito bom mesmo. Mas será que pode ficar melhor? Com certeza. Em uma das inúmeras vezes que esteve por lá, Gabriel da Muda levou Rafael Costa e Silva para conhecer Toninho. O ex-número 1 da cozinha do Mugaritz, que em breve inaugura o seu Lasai na Conde de Irajá, se meteu nas panelas do Momo e criou a incrível Tortilla de Bolinho de Arroz. A massa é a mesma do petisco, mas ganhou a adição de ovos quase como o tradicional prato espanhol. Inacreditável de tão gostoso.

20140209_144202

No campo dos jilós, Toninho também brilha. Ele vem cozido e recheado com uma carne assada que desmanchava na boca de tão macia. E o molho? Saboroso e untuoso, daqueles que o pão para limpar o prato se torna item obrigatório.

20140209_141822

Ainda tenho muitas iguarias para provar por lá: pastéis, lasanha de abobrinha com costela, entre outras ideias que fervilham na cabeça do Toninho. De fato fiquei apaixonado pelo bar e entendi porque em recado constante no Instagram do Da Muda. Nas palavras do próprio: “Quer ser feliz? Vá ao Momo!”. Ah! Mas quando for leve dinheiro porque lá não aceita nenhum tipo de cartão!

Mais informações sempre na página do Facebook, E no Instagram (@GastroEsporte)! Até a próxima!

Bar do Momo
– Rua General Espírito Santo Cardoso 50, Tijuca, Rio de Janeiro – RJ
(21) 2570-9389
Todos os dias a partir das 9h até 23h. Domingo até 18h.