Arquivo da tag: French Rack

Quinta de São José: vinhos especiais do Douro em uma tarde com o enólogo João Brito e Cunha

É sempre um prazer degustar um vinho com o enólogo e winemaker que produziu o conteúdo das garrafas. Nós podemos buscar identificar aromas e características que entram na nossa cabeça a cada gole, mas só o produtor tem a capacidade de explicar exatamente o que ele pretendia com aquele corte, com o processo de envelhecimento e te guiar pelos caminhos de cada taça. Tive este privilégio ao conhecer o português João Brito e Cunha e seus vinhos, da vinícola Quinta de São José, no Douro. Fizemos uma degustação de praticamente toda a sua linha na Cavist, em Ipanema, acompanhado de um belo almoço.

20140320_131743

Com o refrescante branco Ázeo na taça, João, que veio ao Brasil a convite da importadora WineMundi, representante dos seus vinhos por aqui, contou um pouco da história do Douro e em particular de sua vinícola. Com uma produção pequena, procura dar uma identidade a cada vinho. Além disso, o espaço de dez hectares conta também com uma pousada para estimular o enoturismo na região.

20140320_132657

Mas voltemos à taça. O Ázeo foi uma revelação para mim, já que não conhecia as castas Viusinho e Rabigato. No primeiro gole o vinho se mostrou agressivo. Mas bastaram cinco minutos para o frescor tomar conta e os aromas frutados tomarem conta. Harmonizou perfeitamente com um carpaccio de Hadoque defumado com raspas de limão siciliano.

20140320_134020 20140320_133825

A brincadeira seguir em frente com o Quinta de São José tinto. Feito com as uvas clássicas da região, Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz, é um bom vinho de entrada. Foi harmonizado com bacalhau envolto por um crisp de parmesão, receita que, por sinal, já mostrei como se faz aqui.

20140320_135452

O terceiro ganhou a mesa. O Quinta de São José Reserva 2010 é um belo vinho. Feito com Touriga Nacional de vinhas velhas da quinta, passa por barricas de carvalho francês por um ano e ganha bastante complexidade. Bem frutado, mas com taninos equilibrados. No prato, duo de cordeiro com manteiga de ervas e legumes salteados. Estivesse o cordeiro um pouco mais mal passado o prato seria perfeito. Mas o casamento com o vinho foi realmente espetacular.

20140320_141952 20140320_142454

Com esta mesma pedida, provamos ainda o Grande Reserva da Quinta de São José, que veio em garrafa Magnum do ano de 2011. A opinião na mesa foi praticamente a mesma. É, de fato, um vinho especial feito com as vinhas mais velhas das castas Touriga Nacional e Touriga Franca e fermentados em lagares após serem pisadas como antigamente. Se tivéssemos bebido esta safra daqui a três anos pelo menos a experiência seria ainda mais especial. Afinal de contas, estamos diante de um vinho que tem potencial de guarda. Mas na taça estivemos diante de um vinho complexo, com mineralidade no ponto certo, novamente frutas no nariz e equilíbrio ideal. 

20140320_144125

No fim, o São José Vintage Port com banana caramelada, doce de leite, sorvete de canela e farofa de paçoca. Fim de uma tarde especial, de muito conhecimento, boa conversa e, como sempre, boa comida!

20140320_145708

Mais informações sempre na página do Facebook, E no Instagram (@GastroEsporte)! Até a próxima!

Anúncios

Menos é mais. Um belo cordeiro, ingredientes simples e um sabor maravilhoso. Aprenda!

Uma das máximas da boa cozinha é: menos é mais. Principalmente quando você tem em mãos um produto de muita qualidade. Para que encher de temperos, molhos e técnicas que podem acabar mascarando o sabor que você mais quer sentir? É o caso das costelinhas de cordeiro da Quirós Gourmet – ou french racks, se você quiser fazer um estilo. O amigo Felipe mandou o recado e a missão de que eu seria o responsável por comandar a churrasqueira no seu aniversário. Como disse, a matéria prima era espetacular: filé mignon, linguiça, picanha e o french rack.

20131123_193721

Vamos então ao que foi a grande estrela da noite. Carvão aceso, brasa bem quente e alguns temperinhos leves. Como disse, a estrela é o cordeiro. Para uma peça com sete costelinhas você vai precisar de quatro dentes de alho, ramos de tomilho e de alecrim, flor de sal, pimenta do reino e um fio de azeite. Mais absolutamente nada. E a dica veio do Chef Claude Troisgros no Que Marravilha!.

A peça vem inteira, mas basta você cortá-las no sentido do osso formando os pedaços individuais. O alho apenas esprema para que ele libere os sabores. Coloque os demais ingredientes em uma vasilha e deixe a carne repousando lá por mais ou menos 20 minutos.

1477855_10152063906817667_643087289_n

20131123_162537

Acabou. Entre com ela na grelha da sua churrasqueira bem quente por mais ou menos cinco a dez minutos de cada lado e pronto. A ideia é selar a camada exterior deixando a gordura caramelizada e o interior ligeiramente rosado. Uma maravilha. Caso queira fazer em casa, use a frigideira bem aquecida. Claro que o carvão entra como tempero, mas o sabor também ficará especial.

20131123_192913

Na taça um bom tinto ou uma cerveja de personalidade. As IPAs ou Ales casam bem aqui na minha opinião. De resto, conversa, risadas e histórias como uma boa reunião de amigos deve ser. E que venha a próxima remessa, Felipe!  Mais informações sempre na página do Facebook, E no Instagram (@GastroEsporte)!

20131123_125502