Arquivo da tag: chope

Cabidinho: salvando madrugadas com chope, pastéis e sanduíches.. Mas fique por aí!

O estilo de vida boêmio já fez parte da minha vida com muita intensidade. Quantas vezes os bares foram fechados e você ainda tinha vontade de beber aquela saideira? E meu refúgio nestes momentos é sempre o Cabidinho. O local fica aberto 24h todos os dias inclusive com a cozinha saindo petiscos e até pratos. Confesso que nunca fiz uma refeição lá. Não é o lugar que vai me tirar de casa para comer qualquer coisa. Mas no básico funciona bem em qualquer momento.

Balcão mostra ingredientes dos sanduíches, cachaças e mais alguns produtos.. Clima de bar..

Balcão mostra ingredientes dos sanduíches, cachaças e mais alguns produtos.. Clima de bar..

A última visita, por exemplo, foi no domingo de muita chuva (por isso não fiz foto da fachada, simplesmente não tinha como). Após muito trabalho na vitória do Fluminense sobre o Audax, cheguei na casa depois da meia noite com fome e sede. A solução, mais uma vez, foi o velho Cabidinho. A decoração não foge muito dos padrões dos bares. Mas confesso que não curto a pintura da parede que leva para o segundo andar não.

A parede no caminho para o segundo andar conta com uma pintura que não é das mais bonitas...

A parede no caminho para o segundo andar conta com uma pintura que não é das mais bonitas…

A variedade de pastéis é grande e eles são sempre fritos na hora. Dos básicos de queijo e carne até elaborados como brie com damasco ou parma, carne de sol com queijo coalho e camarão com alho poró e catupiry. Os preços ficam entre R$ 4 e R$6. Fiquei no de queijo prato, o mesmo dos sanduíches. Ele não está no cardápio, mas é só pedir. Veio espetacular. Crocante no ponto certo e com o queijo muito derretido. Sente só que beleza.

Pastel de queijo.. Este não consta no cardápio, mas é só pedir.. Veio perfeito...

Pastel de queijo.. Este não consta no cardápio, mas é só pedir.. Veio perfeito…

Para beber chope Brahma. O preço é até um pouco alto em comparação a alguns bares que servem a mesma bebida em Botafogo (R$ 5,50), mas vamos relaxar. Os caras trabalham a madruga inteira! E a tulipa está sempre gelada!

Chope Brahma bem tirado.. Repare como a base do copo está congelada, o que mantém a temperatura!

Chope Brahma bem tirado.. Repare como a base do copo está congelada, o que mantém a temperatura!

Como disse, não saio do básico. E a outra principal opção da casa são os sanduíches. Estão lá tradicionais hambúrgueres, mas fico nos clássicos. Ah! E sempre rola promoção. Lombinho, pernil e carne assada com abacaxi (opcional) e fritas estavam por apenas R$ 13. O queijo adicional custa R$ 3. E são muito bem recheados.

Fui no de carne assada. Estava um pouco seca, mas saborosa. E o queijo trazia uma umidade ao sanduíche que conta com um pão saboroso. As opções são muitas também. Filé mignon, rosbife, salame, calabresa, copa, parma, queijo do reino… E, como disse, são bem corretos.

Sanduíche muito bem recheado com queijo muito gostoso e pão na medida.. Dispensei o abacaxi..

Sanduíche muito bem recheado com queijo muito gostoso e pão na medida.. Dispensei o abacaxi..

O bar oferece também empadas abertas no estilo das vendidas na rede Belmonte. Entre opções coletivas estão lá gurjões, que já provei e não curti tanto, bolinhos, filé aperitivo, pizzas, carne seca com aipim, etc… Ou seja, petiscos tipicos de um bar sem muita frescura. Me disseram uma vez que dá para comer um bom bacalhau por lá. Não vou me arriscar mesmo, mas eles estão lá no cardápio. Prefiro ficar na zona de conforto. Seja no meio da tarde ou depois das 5h ouvindo Nelson Gonçalves cantar “A Volta do Boêmio”.

Mais informações, como vocês já sabem, sempre no Twitter e no Instagram (@GastroEsporte). Até a próxima! Beijos em todos! Ah! Lembrando que agora o Gastronomia por Esporte também está no Facebook! Cliquem e curtam a página! Por lá vocês vão conferir todas as novidades do blog! http://www.facebook.com/gastroesporte

Boteco Cabidinho

– Rua Paulo Barreto, 65, Botafogo, Rio de Janeiro – RJ, (21) 2539-8737 / (21) 2527-2942
Diariamente, 24h

Praça Xavier de Brito: cavalinhos e bolinho de bacalhau em um domingo carioca…

Alguma coisa está errada se você é carioca, passou sua infância no Rio de Janeiro e não conhece a Praça Xavier de Brito, na Tijuca. De repente pelo apelido você se lembra: a Praça dos Cavalinhos. Não? Então tire um sábado ou um domingo e leve seus filhos, sobrinhos, primos, afilhados ou afins para uma volta de charrete, alguns minutos no pula pula, nos carrinhos elétricos e, principalmente, nos cavalos. Ah! E depois da canseira, lugar bom para repor as energias é o Rei do Bacalhau que fica de frente para a praça.

A fachada do restaurante que dá de frente para a pracinha.. Mesas na varanda, balcão e salão..

A fachada do restaurante que dá de frente para a pracinha.. Mesas na varanda, balcão e salão..

No meu caso, fui de titio com meu irmão e suas duas filhotas: Pequena Maya e Clara Bochechuda. Então, a canseira maior é dele. Eu acompanhei aqui e ali e logo fui para o balcão. Chope Brahma na tulipa muito bem tirado por R$ 5. Para acompanhar, o bolinho de bacalhau frito de maneira constante e sempre quentinho (R$ 4).

Chope Brahma bem tirado e bolinho de bacalhau quentinho.. Perfeito para repor as energias!

Chope Brahma bem tirado e bolinho de bacalhau quentinho.. Perfeito para repor as energias!

Um dos meus lugares favoritos em bares: o balcão.. De lá você acompanha a movimentação da casa..

Um dos meus lugares favoritos em bares: o balcão.. De lá você acompanha a movimentação da casa..

Como disse no post do (a) Cadeg, sou um viciado em bolinhos de bacalhau. E este estava no mesmo nível dos melhores daquele dia. Bem temperado, salgadinho na medida e com uma proporção boa do peixe com a batata. Tudo coroado por um azeite português que se não era extra virgem ao menos não era um óleo vagabundo. E quem comanda de perto por ali é Seu Armando, portuga dono do local.

Com saída rápida, é raro você chegar no balcão e encontrar um bolinho frio.. A reposição é constante!

Com saída rápida, é raro você chegar no balcão e encontrar um bolinho frio.. A reposição é constante!

Não comemos prato. Ficamos apenas na dobradinha chope e bolinho. Mas os pratos chamaram atenção. Vi passar um Bacalhau a Zé do Pipo e um a Gomes de Sá. Ambos custavam entre R$ 100 e R$ 120, mas eram muito bem servidos e pareciam extremamente saborosos. A vitrine do balcão expõe também as sobremesas. Doces tradicionais portugueses entre R$ 5 e R$ 7.

Barriga de freira, pastel de belém, quindim... A vitrine de doces chama atenção!

Barriga de freira, pastel de belém, quindim… A vitrine de doces chama atenção!

Energias repostas, fomos lá acompanhar as meninas que se esbaldaram na pracinha em um típico programa carioca. O sorriso da Maya no cavalo mostra que vale a pena. Já a Bochecha ainda estranhou um pouco e no primeiro passo ameaçou o choro. Não importa. Mais alguns meses e as lágrimas viram alegria rapidinho. Enquanto isso, tome bolinho!

Maya abre o sorriso antes do passeio no Aladdin... Clima da praça é maravilhoso para crianças..

Maya abre o sorriso antes do passeio no Aladdin… Clima da praça é maravilhoso para crianças..

Clara ainda meio tensa em cima do Aladdin.. Foi só dar o primeiro passo que o choro começou!

Clara ainda meio tensa em cima do Aladdin.. Foi só dar o primeiro passo que o choro começou!

Charretes disputam espaço com os cavalinhos na pracinha...

Charretes disputam espaço com os cavalinhos na pracinha…

A charrete leva a família.. Mais uma etapa do domingo de folga com as crianças..

A charrete leva a família.. Mais uma etapa do domingo de folga com as crianças..

A Praça Xavier de Brito conta com muitas opções para as crianças e um bonito chafariz..

A Praça Xavier de Brito conta com muitas opções para as crianças e um bonito chafariz..

Mais informações, como vocês já sabem, sempre no Twitter e no Instagram (@GastroEsporte). Até a próxima! Beijos em todos! Ah! Lembrando que agora o Gastronomia por Esporte também está no Facebook! Cliquem e curtam a página! Por lá vocês vão conferir todas as novidades do blog! http://www.facebook.com/gastroesporte

Os bolinhos de bacalhau do (a) Cadeg. Venceu a tradição, mas boas opções não faltam

Sou fã incondicional do (a) Cadeg, como já havia comentado em um dos primeiros posts do Gastronomia por Esporte. É o que temos no Rio que mais se assemelha a um mercado central. Mas além do local, sou também um grande admirador de um bom bolinho de bacalhau. E por lá você pode encontrar muitas casas que vendem o salgado que leva basicamente batata e o peixe, além dos temperos e da boa mão do cozinheiro. Sem ela algo aparentemente simples vai desandar.

A avenida principal tomada por gente... O movimento em dezembro no (a) Cadeg é muito maior...

A avenida principal tomada por gente… O movimento em dezembro no (a) Cadeg é constante..

Em uma manhã agradável ao lado do amigo Chico Rezende, o Torcedor, fui com a missão de provar os bolinhos do (a) Cadeg. Foram cinco que renderam experiências muito diferentes. Mas, no fim das contas, o campeão segue sendo o mais tradicional deles todos: o Cantinho das Concertinas. E é por isso que vamos começar por ele.

A casa comandada pelo galego simpático Carlinhos é dos pontos mais tradicionais com a roda de fado além da sardinha e do bacalhau feitos na brasa nos sábados extremamente concorridos. E o bolinho segue imbatível. Frito constantemente, está sempre quentinho e custa R$3 a unidade. Crocante e com a proporção perfeita entre batata e bacalhau, o bolinho tem tempero na medida certa e desce perfeitamente com o bom azeite português servido. Tiro certo.

Imbatível.. O Cantinho das Concertinas continua fazendo os melhores bolinhos.. E durante a semana sem caos!

Imbatível.. O Cantinho das Concertinas continua fazendo os melhores bolinhos.. E durante a semana sem caos!

Ao lado da casa fica a Gruta São Sebastião. Também ao custo de R$3 a unidade, o bolinho não chamou tanto a atenção principalmente por ter mais batata em sua composição. O que realmente ficou na memória e de maneira negativa foi o azeite servido. Em um lugar com variedades do óleo a preços tão bons, se torna um crime colocar na mesa um azeite de qualidade tão baixa como aquela. Gosto realmente horroroso que mata o bolinho.

O primeiro bolinho não se destacou nem para cima e nem para baixo.. Estava gostoso, mas não inesquecível..

O primeiro bolinho não se destacou nem para cima e nem para baixo.. Estava gostoso, mas não inesquecível..

Mais na frente encontramos o Empório Gourmet Show. A delicatessen que vende muitas iguarias, vinhos, cervejas e uma penca de produtos importados inaugurou no sendo andar um restaurante. O cardápio até chama atenção, mas a missão era bolinho de bacalhau. E o da casa, que inaugurou filial no Complexo Gastronômico do Lagoon, já comentado aqui, foi o pior do dia. Assim que chegou na mesa já deu para prever que não estaria gostoso. Apenas morno, deixou a impressão de que já estava frito há muito tempo. Pesado e duro, foi uma decepção incrível. E justamente na casa que quer impor uma linha mais gastronômica. Ah! E ainda é menor e mais caro que os anteriores: R$3,90 a unidade.

A aparência já deixava claro de que o bolinho não estaria o ideal.. No sabor a mesma coisa: o pior deles.

A aparência já deixava claro de que o bolinho não estaria o ideal.. No sabor a mesma coisa: o pior deles.

Mais para o final da avenida principal, o Empório Quintana do simpático chef Leonel também chama atenção. Além de vender bons produtos, o chef desenvolveu um cardápio interessante que me chamou atenção e deixou curioso. Mas vamos ao bolinho: frito na hora, chegou extremamente crocante por fora e macio por dentro. Proporção boa entre batata e bacalhau. Estaria perfeito se tivesse um tiquinho a mais de sal, mas a prudência em relação ao teor do próprio peixe falou mais alto. Também sai a R$3,90 a unidade.

Crocante, sequinho e com boa proporção.. Faltou apenas um pingo de sal para ficar ideal.. Belo bolinho...

Crocante, sequinho e com boa proporção.. Faltou apenas um pingo de sal para ficar ideal.. Belo bolinho…

O último encerrou muito bem a empreitada. Apesar de ter a carne como principal item do cardápio, o Costelão do Cadeg serviu um excelente bolinho. E olha que estava receoso, já que comi lá uma vez há bastante tempo e não saí satisfeito. Mas o bolinho desenvolvido pelo chef Gilberto Fellows e frito na hora bem temperado e saboroso me fez pensar em voltar para almoçar. Vendido em porção (R$20 por dez unidades), desceu maravilhosamente com o chope Eisenbahn.

A surpresa.. Não imaginava que fosse comer um bolinho tão bom no Costelão, especializado em carnes..

A surpresa.. Não imaginava que fosse comer um bolinho tão bom no Costelão, especializado em carnes..

Passamos ainda pelo Galeto Brasa, mas a aparência nada convidativa do bolinho já frito no balcão somado a um almoço ruim que já tive por lá nos fizeram desistir da avaliação. A Adega Cesari, logo no início, estava sem bolinhos e também acabou não sendo avaliada. Surpreende também o Barsa, casa gourmet com pegada lusitana, não servir a iguaria. Mas podem ir na punheta de bacalhau sem medo. Vale muito.

No fim das contas, venceu a tradição das Concertinas. Mas as demais investidas mostraram que está cada vez melhor comer por lá. E mais do que nunca, você que ainda não conhece o (a) Cadeg, está mais do que na hora de perder um dia por lá. E chegue cedo! O dia por lá começa às 4h!

Mais informações sempre no Twitter e no Instagram (@GastroEsporte). Até a próxima! Beijos em todos! Ah! Lembrando que agora o Gastronomia por Esporte também está no Facebook! Cliquem e curtam a página! Por lá vocês vão conferir todas as novidades do blog! www.facebook.com/gastroesporte

O tradicional Serafim.. Chope gelado e muitas risadas com os amigos em Laranjeiras..

Dezembro é provavelmente o mês em que você mais bebe no ano. A cada dia aparece um chope comemorativo. Nesta semana, capitaneados pelo chefe Eduardo Peixoto, fomos os repórteres do GLOBOESPORTE.COM ao Serafim celebrar o ano de trabalho. Chope gelado e cremoso, maracujá e bons petiscos marcaram uma noite de muitas risadas em um dos botequins mais tradicionais de Laranjeiras, logo no início da Rua Alice.

Mesas na calçada da Rua Alice costumam ser as mais disputadas. E banner já mostra o bom preço do chope!

Mesas na calçada da Rua Alice costumam ser as mais disputadas. E banner já mostra o bom preço do chope!

Tudo no Serafa é bem tradicional. Não vá esperando luxo ou qualquer coisa do tipo. É bar mesmo. No balcão, sempre disputado, você pode ver petiscos como tremoços, azeitonas temperadas, batatinha calabresa…

Na vitrine do balcão acepipes clássicos como tremoços, azeitonas e batatinha calabresa..

Na vitrine do balcão acepipes clássicos como tremoços, azeitonas e batatinha calabresa..

Na parte quente, ficam expostos os nacos de torresmo, o bolinho de carne, empadinhas, pastéis…

Nacos de torresmo dividem espaço com empadinhas e os famosos bolinhos de carne e bacalhau da casa..

Nacos de torresmo dividem espaço com empadinhas e os famosos bolinhos de carne e bacalhau da casa..

No teto, a decoração portuguesa com alhos, cebolas e até piões pendurados no teto fazem o clima melhorar ainda mais perto das muitas garrafas de bebida. Ainda no balcão, placas dão o tom descontraído ao local. “Botequim do Serafim. Não é permitido entrar bêbado. Sair sim”. É um bom lema, que certamente acontece com frequência.

Balcão clássico de boteco com decoração estilizada e as plaquinhas com recados para os bebuns...

Balcão clássico de boteco com decoração estilizada e as plaquinhas com recados para os bebuns…

O chope, estrela da casa, é tirado à moda antiga. Nada de torneira exclusiva para espuma. A chopeira também é tradicional, com gelo sendo socado pra dentro constantemente. E é justamente isso que deixa a bebida gelada e com uma boa espuma. Em promoção, a caldereta sai a R$ 4,50.

Cena comum no Serafim é ver o camarada socar gelo pra dentro da chopeira.. Processo fundamental e das antigas..

Cena comum no Serafim é ver o camarada socar gelo pra dentro da chopeira.. Processo fundamental e das antigas..

Entre os petiscos, há pastéis variados sempre fritos na hora. Queijo derretido, camarão, siri, bacalhau, carne… Os sabores são variados e custam R$ 3,50 cada.

Fritos na hora e bem recheados, os pastéis também fazem sucesso por lá..

Fritos na hora e bem recheados, os pastéis também fazem sucesso por lá..

O bolo de carne custa o mesmo preço. Olha, não sei como é feito, mas esta bolota aí da foto é bem gostosa, temperada e fica ainda melhor quando vem frito na hora. Tradicional da casa.

O bolo de carne, uma espécie de croquete... Tradicional e sempre gostoso no Serafim..

O bolo de carne, uma espécie de croquete… Tradicional e sempre gostoso no Serafim..

Momento bom também para provar o Maracujá. Os antigos donos nunca quiseram revelar a receita. Reza a lenda que é feito com o que sobra das garrafas de bebida variadas. Eu não sei, só sei que desce bem demais…

Ninguém faz ideia de como é feito.. Mas esse maracujá engana.. Depois de alguns você sai derrubado! E é uma delícia..

Ninguém faz ideia de como é feito.. Mas esse maracujá engana.. Depois de alguns você sai derrubado! E é uma delícia..

O bolinho de bacalhau, outra pedida tradicional, não estava no mesmo nível. Senti falta de tempero, apesar do bom gosto de bacalhau. A porção sai por R$ 18.

Em porção ou individual, o bolinho de bacalhau costuma ser gostoso. Mas nesta noite derrapou na falta de tempero..

Em porção ou individual, o bolinho de bacalhau costuma ser gostoso. Mas nesta noite derrapou na falta de tempero..

A volta por cima veio com uma porção de Capa de Filé aperitivo (R$ 25). A carne de segunda veio se desmanchando, com um molho encorpado e bem temperado, cebola e azeitona verde. Molhar o pão na travessa foi obrigatório.

Molho encorpado,cebola macia e capa de filé desmanchando... Comida de botequim com qualidade..

Molho encorpado,cebola macia e capa de filé desmanchando… Comida de botequim com qualidade..

Mas nem tudo são flores no Serafa. Como disse lá em cima, estamos falando de um boteco, e não de um restaurante. Mesmo assim, algumas situações mínimas são necessárias em qualquer lugar. A higiene é o principal. Em dois momentos da noite, duas baratinhas daquelas miúdas apareceram pelas paredes do salão. Uma delas chegou a cair no ombro de um camarada na mesa. O banheiro também é complicado. Ao puxar a descarga, o cano saiu do lugar e inundou o local, me deixando molhado. Feio demais.

Olha lá que beleza de chope... Cremoso e gelado, perfeito para comemorar um bom ano..

Olha lá que beleza de chope… Cremoso e gelado, perfeito para comemorar um bom ano..

Tirando os inconvenientes, o importante é que a noite reuniu grandes companheiros de trabalho que se tornaram amigos. Com chope gelado, a gente releva certas coisas em nome da confraternização. E, no fim das contas, cumprimos todos o que pede a plaquinha do balcão! Até a próxima!

Rapaziada do GLOBOESPORTE.COM com direito a alguns penetras.. No fim é o que vale!

Rapaziada do GLOBOESPORTE.COM com direito a alguns penetras.. No fim é o que vale!