Arquivo da tag: chope

St. Gallen, um parque para cervejeiros, lança chope de verão, uma Witbier leve e refrescante

A Vila St. Gallen, em Teresópolis, era um daqueles lugares que estava querendo conhecer há bastante tempo. E a espera acabou no último sábado. Fui convidado para o lançamento do chope de verão da cervejaria. E o tiro foi certeiro. A Witbier desenvolvida pelo mestre cervejeiro Gabriel di Martino combina perfeitamente com o calor que tem feito em qualquer canto do estado do Rio de Janeiro, inclusive na serra!

Desenvolvida com gengibre e casca de laranja, a cerveja é extremamente refrescante. No nariz, o aroma dos ingredientes principais ficam claros com notas cítricas que também são sentidas no paladar. Com 4,5% de teor alcoólico, a cerveja levinha desce perfeitamente em um dia de calor.

20140118_162059

O chope fica em cartaz até o fim do verão. O copo de 200ml sai por R$ 9 e o de 400ml por R$ 15. Você também pode pedir ele na bota de 1 litro por R$ 35. Como parte da tradição, além do chope, a St. Gallen convidou um chef para desenvolver um petisco que harmonize com a criação. A responsável desta vez foi Katia Barbosa, do Aconchego Carioca. E mais uma vez ela deu um tiro certo com a porção de camarões empanados em flocos de arroz servidos com molho de bobó apimentado (R$ 39). Estava tão bonito que me fez comer camarão depois de 20 anos! O molhinho dava um levante incrível na pedida repleta de texturas – o macio do fruto do mar e o crocante do empanado.

20140118_141249 20140118_141828

A farra continuou com um dos pratos servidos na casa: kassler defumado com salada de batata, purê de ervilhas e repolho fermentado em suco de maçã. O purê estava perfeito, assim como o kassler que veio macio, saboroso e com um gostoso molho de mostarda.

20140118_144535

A sobremesa foi strudel de maçã caramelizado na mesa com maçarico e acompanhado de sorvete feito a base da Therezópolis Rubine (o mesmo que eu já havia falado aqui).

20140118_152707

Mas antes dos lançamentos, fizemos um tour pelo espaço regado a Therezópolis Gold direto das torneiras. O local é um verdadeiro complexo de entretenimento para os que amam cervejas. No salão principal, o Bierfest, opções da culinária alemã em ambiente decorado que fica de frente para uma micro cervejaria que não é meramente decoração. Do lado de fora fica o Biergarten que reproduz a vila que dá nome ao local. Tem lojinhas com produtos de lá, chocolates e uma loja de roupas. Como parte da ambientação rola até uma capela com cantos gregorianos. Um show!

20140118_161054

 

20140118_17304020140118_125014 20140118_124919

Provamos alguns dos petiscos como o salmão defumado com brotos no pão de cevada, o croquete de queijos crocantes com geleia de damasco e pimenta, e as linguiças alemãs com molho de mostarda e mel. O croquete, em especial, estava sensacional. Já o salmão ficaria perfeito se o pão viesse torradinho.

20140118_125108 20140118_130813 20140118_131915

Além do salão principal, o complexo conta ainda com mais dois restaurantes, o recém lançado Bistrô 1912 e a Abadia, especializada em racletes e fondues que fogem do comum utilizando diferentes métodos de cocção e até carnes de caça. Estes vão ficar para futuras visitas.

No fim, ainda tive a oportunidade de experimentar a primeira receita da IPA que o Gabriel di Martino está desenvolvendo para a próxima estação. O mestre cervejeiro de inacreditáveis 23 anos acertou a mão mais uma vez, mas disse que esta ainda não é a receita definitiva. Lupulada como uma IPA deve ser, mas um pouco mais acessível ao grande público. A ideia é tê-la em garrafa em um futuro próximo. Vamos aguardar. Enquanto o dia não chega, vamos matando a sede com muita Witbier. E até a próxima!

20140118_171946

Vila St. Gallen
Rua Augusto do Amaral Peixoto, 166 Alto – Teresópolis – RJ
Tel: (21) 2642 1575
Qua e qui, das 19h à 1h, Sex das 19h às 1h30, Sáb, das 12h às 1h30 e Dom, das 12h às 23h30

Antiga Mercearia e Bar.. Uma grande novidade na Cobal do Humaitá, seja para compras ou para sentar e curtir!

Gosto muito da Cobal do Humaitá. É perto da minha casa e conta com dois lugares que curto ir: Puebla e Joaquina (que inacreditavelmente nunca falei por aqui). Mas recentemente uma novidade conquistou um lugar cativo entre os meus preferidos: Antiga Mercearia e Bar. Uma sacada genial, na verdade.

Durante todo o dia é uma mercearia que vende os mais variados produtos. Por lá você encontra geleias, massas, artigos importados, molhos e por aí vai. Além disso, no varejo você compra temperos, biscoitos doces, salgados, e até milho gigante do Peru, um espetáculo junto de um ceviche. E, é claro, o carro chefe: cervejas! As marcas são muitas e a ênfase fica nas nacionais. Bebe-se ali ou em casa.

20131013_153217 20130711_162753

Mas a casa, extremamente bem decorada e que chama atenção de quem está no corredor que liga o lado da Voluntários com o da São Clemente, conta ainda com uma cozinha afiada. O cardápio de petiscos é enxuto, fazendo com que tudo esteja bem feito. São bolinhos, espetinhos, alguns pratinhos que chegam em uma marmitinha e também algumas porções.

20130930_121857

Estive por lá em várias oportunidades, o que me fez provar muita coisa diferente. Enquanto ninguém se decide, desce logo um chope e uma azeitoninha comprada a granel. São cinco torneiras sendo que duas são fixas com os artesanais que levam o nome da casa. São três tamanhos diferentes do Antiga Pilsen ou do Antiga Weiss. O primeiro é servido em um copinho de geleia personalizado. Alguns podem estranhar, mas achei criativo e diferente. Já o segundo vem no tradicional copo de trigo. Ambos muito gostosos.

20130802_211526 20130711_154923

Comecei com o bolinho de feijoada (R$ 4,90). Não é o do Aconchego, é claro. Mas de todos que estão cada vez mais presentes nos cardápios pela cidade, este fez frente ao original. Casquinha saborosa, muito bem recheado com couve e linguiça. Um acerto.

20130711_155709

O croquete vem com propaganda no cardápio (R$ 4,80). Gostoso, mas não inesquecível. Ligeiramente mais adocicado que o do Alemão, por exemplo, mas casou bem com a mostarda escura.

20130711_160623

Em seguida o Bolinho de Bacalhau (R$ 4,80). Todos sabem como sou viciado (lembram do circuito Cadeg?) e este estava realmente bem gostoso.

20130711_162512

Pedi ainda dois bolinhos de aipim. O primeiro com catupiry e o segundo recheado com carne seca (R$ 4,50 cada). Chamou atenção em ambos a qualidade da massa: bem leve e saborosa. O primeiro é simples, para quem gosta de catupiry mesmo. O segundo tinha um recheio bem temperado, com cebola e salsa.

20130719_183624 20130719_182326

Saindo das frituras, o espetinho de filé mignon veio no ponto certo de sabor e maciez (R$ 14,90). A farofinha que acompanhou estava saborosa.

20130802_212838

Já no campo dos petiscos, o pão de alho gratinado poderia ter ficado um tantinho a mais no forno, mas tem potencial (R$ 9,90). Só não peça caso você esteja em um encontro romântico.

20130802_222448_LLS

A última pedida foi a porção dos canapés de filé a milanesa (R$ 27,90). A combinação original do Astor é tiro certo. Torradas, queijo e um quadrado do milanesa. Sinceramente é muito difícil fazer isso dar errado.

20130802_230228_LLS

Como disse, gostei da novidade. E o público do Rio também, já que o movimento da casa tem estado cada vez maior. E acho merecido. Ideias criativas e bem executadas merecem ser premiadas. O atendimento, confuso no início, o que é perfeitamente normal, tem estado cada vez mais azeitado. Corrigido isso, a promissora casa tem tudo para ter uma vida longa, seja tomando algo por lá ou simplesmente passando para umas compras rápidas.

Dúvidas ou considerações é só deixar no comentário ou mandar via Twitter ou Instagram (@GastroEsporte), ou melhor ainda, vai lá na página do Facebook e escreve por lá.

Antiga Mercearia e Bar
Cobal do Humaitá – Rua Voluntários da Pátria, 446 – loja 7, Humaitá, Rio de Janeiro – RJ
(21) 2226-6553
Domingo a quinta, das 9h à meia-noite. Sexta e sábado, das 9h às 3h.

O clássico Braseiro da Gávea. Bom? Sem sombra de dúvidas! Barato? Vale a discussão!

No prêmio Rio Show de Gastronomia, o Braseiro da Gávea foi premiado na categoria “Bom e Barato”, gerando certa discussão. Bom ninguém tem dúvidas de que esse clássico do Rio de Janeiro é. A picanha é realmente especial e raramente vem fora do ponto. Mas o barato é discutível. Comparados à alta gastronomia, os preços são sim honestos. Mas há inúmeras opções pela cidade onde se come bem mais barato (inclusive aqui mesmo já dei o exemplo do Caravelas do Visconde).

Mas deixemos a discussão de lado. Afinal de contas, achando barato ou não, o Braseiro é um lugar que merece ser visitado. Fica no coração do Baixo Gávea, reduto tradicional da cidade. A decoração é a mais simples possível, seja no salão ou na varanda de onde você pode ficar de olho nas noites movimentadas.

20130925_142824 20130925_163645

Não há como dispensar as linguiças (R$ 3 a unidade) que circulam pelo salão nos espetos. Chegam ao lado de um molho a campanha mais simples impossível. Lá, inclusive, eles abrem mão do pimentão verde. Para beber chope Brahma por R$ 6.

20130925_143153

O pedido, na minha opinião, é um só: Picanha Braseiro. O corte vertical pega todas as partes da picanha. Ela vem fatiada e no ponto perfeito. A ponta, naturalmente mais macia, estava espetacular. A parte de cima também estava igualmente saborosa e com boa maciez. Chega na mesa acompanhada de Arroz de Brócolis, Batatas Fritas (de verdade, não as congeladas, o que é um ponto mais do que especial) e Farofa de ovo com banana. Sente o close abaixo! Essência do “FoodPorn” não?

20130925_150457 20130925_150512 20130925_151153

O prato sai por R$ 85. Neste dia, éramos três e foi a conta certa depois de uma linguiça e meia cada um. No fim, a conta, que incluiu seis chopes e dois refirgerantes, acabou saindo R$ 53 para cada um. Caro? Não. Mas se come mais barato? Sim. Fossemos dois certamente seria pesado.

A reflexão é de cada um e o debate mais do que válido. Acho que a discussão se faz necessária até em função dos preços que costumamos encontrar pela cidade. Mas caro ou barato, não dá para negar que bom o Braseiro é demais.

Braseiro da Gávea
– Praça Santos Dumont, 116, Gávea, Rio de Janeiro – RJ – (21) 2239-7494
Dom a qui, do meio-dia à 1h ; sex e sáb, do meio-dia às 3h

Dúvidas ou considerações é só deixar no comentário ou mandar via Twitter ou Instagram (@GastroEsporte), ou melhor ainda, vai lá na página do Facebook e escreve por lá! Beijos e abraços em todos!

Caravelas do Visconde tem lugar cativo no meu coração: bons preços e comida excepcional! Clássico!

Todos têm algum restaurante marcante. Aquele lugar que você vai desde pequeno, que conhece os garçons, está acostumado com o ambiente… Um destes para mim é o Caravela do Visconde. Desde que me entendo por gente vou lá comer a generosa e saborosa picanha, um para muitos desconhecido, mas igualmente gostoso filé a parmegiana, o frango a passarinho com bastante alho frito e salsa ou simplesmente uma linguicinha na brasa com chope gelado.

Não espere luxo. O ambiente lembra um velho botequim. Mas saiba que de lá você vai sair muito satisfeito. Mas confesso aqui que no comando há uma contradição. Seu Rui, um amigo da família e velho cliente do Seu Cavalierão, é português clássico. Estão lá o sotaque carregado e o bigode bem cortado. Mas o coração dele não bate pelo Vasco. Vai entender, mas o portuga é Botafoguense doente. E na simples decoração de sua casa está lá uma bandeira do Glorioso no meio das gravuras que remetem a Portugal. Certas coisas não tem explicação.

20130731_222942

Mas outras sim. E no Caravela não tem frescura. Siga meu roteiro e seja feliz. Comece o dia com a linguicinha na brasa (R$ 2,5) e o chope Brahma (R$ 4,9) bem tirado. Felicidade garantida.

20130731_223146

Siga com o clássico da casa. A picanha vem com as duas pontas para fora da travessa de tão grande (R$ 56). O ponto está SEMPRE correto. E o sabor da brasa do carvão? É coisa de maluco. A foto foi tirada já depois do garçom cortar, mas tenha certeza de que três vão comer e ficar satisfeito. Ainda mais com os acompanhamentos sempre bem servidos. As dicas? Guarnição Francesa, incluída na picanha, e farofa brasileira (R$ 13). Chora.

20130731_224542 20130731_224347

Como disse lá em cima, o Parmegiana é delicioso também (R$ 56). Macio, com boa camada de queijo e molho simples de tomate, é sensacional. O tamanho? Já viu que no Caravelas não dá para brincar. Veio acompanhada de Batata Portuguesa.

20130731_224451

O preço, como visto, é um capítulo a parte. É por isso que domingo na hora do almoço é preciso ter paciência para conseguir uma mesa. Afinal de contas, olhem o custo benefício! Pensando bem, agora é fácil entender porque está entre os lugares favoritos do Seu Cavalierão. Vida longa ao Caravelas e ao velho Rui, que, quem sabe, terá uma alegria com Seedorf no seu Botafogo…

Caravelas do Visconde
– Rua Visconde de Caravelas, 136, Botafogo, Rio de Janeiro – RJ – (21) 2266-3128
Seg a sáb, das 11h à meia-noite; dom, das 11h às 18h

Dúvidas ou considerações é só deixar no comentário ou mandar via Twitter ou Instagram (@GastroEsporte), ou melhor ainda, vai lá na página do Facebook e escreve por lá! Beijos e abraços em todos!

Casa do Alemão: sabor da serra ali no Leblon. Nem atendimento ruim me afasta do combo croquete + sanduba!

Encerrei a última semana com um clássico do Rio de Janeiro. E começo esta com outro, mas desta vez um que nasceu na serra e desceu para a cidade: Casa do Alemão. Era parte do programa de qualquer um que subia rumo a Petrópolis, Itaipava ou afins parar na casinha para o mais do que tradicional e sempre impecável croquete de carne, sanduíche de linguiça e a grande variedade de biscoitos amanteigados. E já há algum tempo, tudo isso agora pode ser conferido no Leblon. Mas há de se fazer apenas uma ressalva: o atendimento da casa é ruim, principalmente se você só conseguir mesa no segundo andar.

20130722_000054 20130721_215249

É necessário ter paciência. Vou bastante lá nas noites de domingo e sempre ciente de que os pedidos vão demorar, de que os garçons não são exatamente simpáticos e que ter paciência se faz necessário. Isso é uma pena e precisa ser corrigido o quanto antes. Mas os sabores e a tradição são os mesmos e compensam.

Antes de qualquer coisa, chope Brahma (R$ 6) quase sempre muito bem tirado e cremoso. Perfeito para acompanhar o que vem pela frente. Mas na casa há também a opção de escolher algumas alemãs como Paulaner e Warsteiner.

20130721_215903

Para comer vou sempre no clássico: croquete com sanduíche de linguiça. Se você quiser com refrigerante, pode formar o combinado tradicional por R$ 17,40. Se você como eu quiser colocar um adicional de queijo no sanduba, algo que indico muito, paga R$ 2,30 a mais. A linguiça é saborosa e o pão de leite, também vendido é uma delícia.

O croquete, sempre com interior macio, saboroso e a inigualável casquinha crocante, custa R$ 4,80 se você pedir avulso. Sim. Você vai pedir porque é impossível comer apenas um só. Ainda mais com o chope gelado.

20130721_223804

Outra boa opção, que pode ser pedida avulsa ou como base para os sanduíches, é o brioche de queijo. Amanteigado no ponto certo, vem com uma boa fatia de minas como recheio (R$ 4,60).

20130722_000058

Na saída é difícil resistir aos biscoitos. Apesar do amanteigado ser o tradicional, vou sempre no canudinho com chocolate nas pontas (R$ 8). Crocante, fresquinho e com um bom chocolate entrando com sabor. Não há igual. Pode procurar em qualquer feira.

Como disse, sou um fanático pela casa a ponto de ignorar o mau atendimento só para usufruir da boa e clássica comida, lembrando que existem também pratos com os embutidos acompanhando uma honesta salada de batata e chucrute. Se você não conhece, o que acho impossível, vá logo! Seja no Leblon ou na subida da serra.

Dúvidas ou considerações é só deixar no comentário ou mandar via Twitter ou Instagram (@GastroEsporte), ou melhor ainda, vai lá na página do Facebook e escreve por lá! Beijos e abraços em todos!

Casa do Alemão – Leblon
Av. Ataulfo de Paiva, 644 – Leblon  Rio de Janeiro, 22440-033
(21) 2540-7900

Pelo mundo: um joelho de porco pururuca com litros de chope inesquecível em Viena. Este é o Salm Bräu!

Quem me acompanha por aqui, soube que no mês passado fui de férias para a Europa. Durante a passagem por Paris até fiz algumas receitinhas como a soup a l’oignon ou o purée de pommes a l’ancienne. Mas além do passeio pela França, conheci parte do Leste Europeu com o tradicional trio Praga-Viena-Budapeste. A dica de hoje vai para quem um dia passar pela capital da Áustria, terra do schnitzel com batatas e da famosa torta sacher. Mas a dica aqui é para quem tem estômago forte. No Salm Bräu a pedida é uma só: joelho de porco pururucado ou Eisbein. Simplesmente inesquecível, digno do Enchendo Linguiça, casa que serve um excelente aqui no Rio.

20130424_172037

O lugar por si só já vale a visita. Fica ao lado do imponente e maravilhoso Palácio Belvedere, um dos principais pontos turísticos da cidade. Com uma área externa agradável, o restaurante tem produção própria de quatro chopes perfeitos para acompanhar qualquer que seja o pedido. Provei obviamente todos: Pilsen, Weiss, Ale e Wite. E ainda rola uma quinta opção que muda conforme a temporada. Neste dia era um Helles Chilli chamado de Burning Hell. Estava simplesmente espetacular!

20130424_182807

20130424_182729

Chope de meio litro por favor!

20130424_164034

20130424_165952

Mas voltemos à estrela da casa. O cardápio diz que serve duas pessoas. Mas o carnudo joelho foi até demais para três. O sabor defumado estava ideal e a casquinha pururucada incrível! E ainda vinha servido com uma mostarda excelente e raiz forte fresca ralada.

20130424_173507

No fim das contas abandonei o garfo e caí dentro do osso. Uma delícia!

20130424_174729

O melhor é que chegamos no local no meio da tarde e pegamos o Happy Hour. Ou seja, o chope de meio litro saiu pela bagatela de 3 euros. O prato do joelho custava 22 euros. Não é fã de joelho? Pratos variados estão presentes no cardápio. Vale muito a visita caso você esteja passando por lá!

Dúvidas ou considerações é só deixar no comentário ou mandar via Twitter ou Instagram (@GastroEsporte), ou melhor ainda, vai lá na página do Facebook e escreve por lá! Beijos e abraços em todos!

Comida di Buteco: mais três bares visitados… Tradição da Adega Pérola saltou aos olhos e Sat’s é sempre Sat’s!

O primeiro dia foi movimentado. Foram cinco bares em uma tarde tranquila de domingo. Quem não leu os comentários pode clicar aqui e matar a curiosidade. Como disse lá, meu tempo é curto já que embarco na sexta para curtir as férias. Mas enquanto isso a gente mata a curiosidade de mais concorrentes desta edição do Comida di Buteco. Então, na última segunda, fui acompanhado do amigo e referência Pedro Ivo conhecer mais três concorrentes. E diria que foram excelentes surpresas.

Abrimos a noite no Caldo Beleza. O petisco, chamado Linguiça Abestada, é quase um caldo em pedaços. Aipim, linguiça e costelinha de porco bem cozidas e servidas em caldo untuoso (R$ 25). Estava tudo macio e saboroso. O sal ficava equilibrado quando se provava todos os componentes juntos. A pimenta biquinho que vinha decorando caiu bem. Jogou contra a falta do pão para comer junto e a temperatura da cerveja: tanto a Heineken em lata como o chope Brahma não estavam trincando.

Aipim, costelinha e linguiça em caldo rico, untuoso e saboroso.. Quase uma sopa em pedaços...

Aipim, costelinha e linguiça em caldo rico, untuoso e saboroso.. Quase uma sopa em pedaços…

Rumamos então para o Adega Pérola, dos bares mais tradicionais da cidade. E aqui a fama e a experiência jogaram a favor. A Linguiça de Baco foi um belo petisco (R$ 20). Trata-se de rodelas de linguiça cozidas em vinho tinto e cobertas com gorgonzola derretido e cebola. O vinho utilizado no preparo, que certamente é dos mais baratos, acabou equilibrando e casando muito bem com a força do queijo e o sabor intenso da linguiça. Uma excelente pedida acompanhada de chope Brahma, desta vez bem gelado.

Linguiça cozida no vinho tinto, cebola e gorgonzola.. Tudo harmonizou muito bem na Adega Pérola..

Linguiça cozida no vinho tinto, cebola e gorgonzola.. Tudo harmonizou muito bem na Adega Pérola..

Finalizamos a noite no Galeto Sat’s, ponto mais do que tradicional para quem quer tomar aquela saideira em paz. Recebido de braços abertos pela simpatia que é o Serginho, provamos o Bacalhau Agasalhado (R$ 35). Trata-se de uma generosa porção da linguiça de bacalhau que já dava as caras no cardápio da casa, mas desta vez foi produzida em versão mais delicada que o habitual. Invenção criativa, saborosa e que vem acompanhada de pimentões, cebola, azeitona e ovos de codorna. O sabor é diferente e instiga a comer mais. Bebemos novamente o chope Brahma sempre bem gelado. De quebra ainda conheci o simpático Bruno, que comanda o Botero, e reencontrei a querida Luiza do Da Gema, com sua equipe!

Se você não conhece o Sat’s, vá, experimente o petisco e de quebra prove o galeto com molho de limão e o pão de alho que são imperdíveis. Em breve irei escrever com calma sobre este bar que gosto muito.

Linguiça de bacalhau, pimentões, cebola, azeitona e ovos de codorna.. Criatividade e sabor no Sat's..

Linguiça de bacalhau, pimentões, cebola, azeitona e ovos de codorna.. Criatividade e sabor no Sat’s..

A jornada continua e sempre será contada por aqui até o dia em que embarcar! Os endereços e horários de funcionamento das casas que visitei e dos demais participantes você confere lá no site oficial do Comida di Buteco.

Mais informações, como vocês já sabem, sempre no Twitter e no Instagram (@GastroEsporte). Até a próxima! Beijos em todos! Ah! Lembrando que agora o Gastronomia por Esporte também está no Facebook! Cliquem e curtam a página! Por lá vocês vão conferir todas as novidades do blog! http://www.facebook.com/gastroesporte

Cabidinho: salvando madrugadas com chope, pastéis e sanduíches.. Mas fique por aí!

O estilo de vida boêmio já fez parte da minha vida com muita intensidade. Quantas vezes os bares foram fechados e você ainda tinha vontade de beber aquela saideira? E meu refúgio nestes momentos é sempre o Cabidinho. O local fica aberto 24h todos os dias inclusive com a cozinha saindo petiscos e até pratos. Confesso que nunca fiz uma refeição lá. Não é o lugar que vai me tirar de casa para comer qualquer coisa. Mas no básico funciona bem em qualquer momento.

Balcão mostra ingredientes dos sanduíches, cachaças e mais alguns produtos.. Clima de bar..

Balcão mostra ingredientes dos sanduíches, cachaças e mais alguns produtos.. Clima de bar..

A última visita, por exemplo, foi no domingo de muita chuva (por isso não fiz foto da fachada, simplesmente não tinha como). Após muito trabalho na vitória do Fluminense sobre o Audax, cheguei na casa depois da meia noite com fome e sede. A solução, mais uma vez, foi o velho Cabidinho. A decoração não foge muito dos padrões dos bares. Mas confesso que não curto a pintura da parede que leva para o segundo andar não.

A parede no caminho para o segundo andar conta com uma pintura que não é das mais bonitas...

A parede no caminho para o segundo andar conta com uma pintura que não é das mais bonitas…

A variedade de pastéis é grande e eles são sempre fritos na hora. Dos básicos de queijo e carne até elaborados como brie com damasco ou parma, carne de sol com queijo coalho e camarão com alho poró e catupiry. Os preços ficam entre R$ 4 e R$6. Fiquei no de queijo prato, o mesmo dos sanduíches. Ele não está no cardápio, mas é só pedir. Veio espetacular. Crocante no ponto certo e com o queijo muito derretido. Sente só que beleza.

Pastel de queijo.. Este não consta no cardápio, mas é só pedir.. Veio perfeito...

Pastel de queijo.. Este não consta no cardápio, mas é só pedir.. Veio perfeito…

Para beber chope Brahma. O preço é até um pouco alto em comparação a alguns bares que servem a mesma bebida em Botafogo (R$ 5,50), mas vamos relaxar. Os caras trabalham a madruga inteira! E a tulipa está sempre gelada!

Chope Brahma bem tirado.. Repare como a base do copo está congelada, o que mantém a temperatura!

Chope Brahma bem tirado.. Repare como a base do copo está congelada, o que mantém a temperatura!

Como disse, não saio do básico. E a outra principal opção da casa são os sanduíches. Estão lá tradicionais hambúrgueres, mas fico nos clássicos. Ah! E sempre rola promoção. Lombinho, pernil e carne assada com abacaxi (opcional) e fritas estavam por apenas R$ 13. O queijo adicional custa R$ 3. E são muito bem recheados.

Fui no de carne assada. Estava um pouco seca, mas saborosa. E o queijo trazia uma umidade ao sanduíche que conta com um pão saboroso. As opções são muitas também. Filé mignon, rosbife, salame, calabresa, copa, parma, queijo do reino… E, como disse, são bem corretos.

Sanduíche muito bem recheado com queijo muito gostoso e pão na medida.. Dispensei o abacaxi..

Sanduíche muito bem recheado com queijo muito gostoso e pão na medida.. Dispensei o abacaxi..

O bar oferece também empadas abertas no estilo das vendidas na rede Belmonte. Entre opções coletivas estão lá gurjões, que já provei e não curti tanto, bolinhos, filé aperitivo, pizzas, carne seca com aipim, etc… Ou seja, petiscos tipicos de um bar sem muita frescura. Me disseram uma vez que dá para comer um bom bacalhau por lá. Não vou me arriscar mesmo, mas eles estão lá no cardápio. Prefiro ficar na zona de conforto. Seja no meio da tarde ou depois das 5h ouvindo Nelson Gonçalves cantar “A Volta do Boêmio”.

Mais informações, como vocês já sabem, sempre no Twitter e no Instagram (@GastroEsporte). Até a próxima! Beijos em todos! Ah! Lembrando que agora o Gastronomia por Esporte também está no Facebook! Cliquem e curtam a página! Por lá vocês vão conferir todas as novidades do blog! http://www.facebook.com/gastroesporte

Boteco Cabidinho

– Rua Paulo Barreto, 65, Botafogo, Rio de Janeiro – RJ, (21) 2539-8737 / (21) 2527-2942
Diariamente, 24h

Praça Xavier de Brito: cavalinhos e bolinho de bacalhau em um domingo carioca…

Alguma coisa está errada se você é carioca, passou sua infância no Rio de Janeiro e não conhece a Praça Xavier de Brito, na Tijuca. De repente pelo apelido você se lembra: a Praça dos Cavalinhos. Não? Então tire um sábado ou um domingo e leve seus filhos, sobrinhos, primos, afilhados ou afins para uma volta de charrete, alguns minutos no pula pula, nos carrinhos elétricos e, principalmente, nos cavalos. Ah! E depois da canseira, lugar bom para repor as energias é o Rei do Bacalhau que fica de frente para a praça.

A fachada do restaurante que dá de frente para a pracinha.. Mesas na varanda, balcão e salão..

A fachada do restaurante que dá de frente para a pracinha.. Mesas na varanda, balcão e salão..

No meu caso, fui de titio com meu irmão e suas duas filhotas: Pequena Maya e Clara Bochechuda. Então, a canseira maior é dele. Eu acompanhei aqui e ali e logo fui para o balcão. Chope Brahma na tulipa muito bem tirado por R$ 5. Para acompanhar, o bolinho de bacalhau frito de maneira constante e sempre quentinho (R$ 4).

Chope Brahma bem tirado e bolinho de bacalhau quentinho.. Perfeito para repor as energias!

Chope Brahma bem tirado e bolinho de bacalhau quentinho.. Perfeito para repor as energias!

Um dos meus lugares favoritos em bares: o balcão.. De lá você acompanha a movimentação da casa..

Um dos meus lugares favoritos em bares: o balcão.. De lá você acompanha a movimentação da casa..

Como disse no post do (a) Cadeg, sou um viciado em bolinhos de bacalhau. E este estava no mesmo nível dos melhores daquele dia. Bem temperado, salgadinho na medida e com uma proporção boa do peixe com a batata. Tudo coroado por um azeite português que se não era extra virgem ao menos não era um óleo vagabundo. E quem comanda de perto por ali é Seu Armando, portuga dono do local.

Com saída rápida, é raro você chegar no balcão e encontrar um bolinho frio.. A reposição é constante!

Com saída rápida, é raro você chegar no balcão e encontrar um bolinho frio.. A reposição é constante!

Não comemos prato. Ficamos apenas na dobradinha chope e bolinho. Mas os pratos chamaram atenção. Vi passar um Bacalhau a Zé do Pipo e um a Gomes de Sá. Ambos custavam entre R$ 100 e R$ 120, mas eram muito bem servidos e pareciam extremamente saborosos. A vitrine do balcão expõe também as sobremesas. Doces tradicionais portugueses entre R$ 5 e R$ 7.

Barriga de freira, pastel de belém, quindim... A vitrine de doces chama atenção!

Barriga de freira, pastel de belém, quindim… A vitrine de doces chama atenção!

Energias repostas, fomos lá acompanhar as meninas que se esbaldaram na pracinha em um típico programa carioca. O sorriso da Maya no cavalo mostra que vale a pena. Já a Bochecha ainda estranhou um pouco e no primeiro passo ameaçou o choro. Não importa. Mais alguns meses e as lágrimas viram alegria rapidinho. Enquanto isso, tome bolinho!

Maya abre o sorriso antes do passeio no Aladdin... Clima da praça é maravilhoso para crianças..

Maya abre o sorriso antes do passeio no Aladdin… Clima da praça é maravilhoso para crianças..

Clara ainda meio tensa em cima do Aladdin.. Foi só dar o primeiro passo que o choro começou!

Clara ainda meio tensa em cima do Aladdin.. Foi só dar o primeiro passo que o choro começou!

Charretes disputam espaço com os cavalinhos na pracinha...

Charretes disputam espaço com os cavalinhos na pracinha…

A charrete leva a família.. Mais uma etapa do domingo de folga com as crianças..

A charrete leva a família.. Mais uma etapa do domingo de folga com as crianças..

A Praça Xavier de Brito conta com muitas opções para as crianças e um bonito chafariz..

A Praça Xavier de Brito conta com muitas opções para as crianças e um bonito chafariz..

Mais informações, como vocês já sabem, sempre no Twitter e no Instagram (@GastroEsporte). Até a próxima! Beijos em todos! Ah! Lembrando que agora o Gastronomia por Esporte também está no Facebook! Cliquem e curtam a página! Por lá vocês vão conferir todas as novidades do blog! http://www.facebook.com/gastroesporte

Os bolinhos de bacalhau do (a) Cadeg. Venceu a tradição, mas boas opções não faltam

Sou fã incondicional do (a) Cadeg, como já havia comentado em um dos primeiros posts do Gastronomia por Esporte. É o que temos no Rio que mais se assemelha a um mercado central. Mas além do local, sou também um grande admirador de um bom bolinho de bacalhau. E por lá você pode encontrar muitas casas que vendem o salgado que leva basicamente batata e o peixe, além dos temperos e da boa mão do cozinheiro. Sem ela algo aparentemente simples vai desandar.

A avenida principal tomada por gente... O movimento em dezembro no (a) Cadeg é muito maior...

A avenida principal tomada por gente… O movimento em dezembro no (a) Cadeg é constante..

Em uma manhã agradável ao lado do amigo Chico Rezende, o Torcedor, fui com a missão de provar os bolinhos do (a) Cadeg. Foram cinco que renderam experiências muito diferentes. Mas, no fim das contas, o campeão segue sendo o mais tradicional deles todos: o Cantinho das Concertinas. E é por isso que vamos começar por ele.

A casa comandada pelo galego simpático Carlinhos é dos pontos mais tradicionais com a roda de fado além da sardinha e do bacalhau feitos na brasa nos sábados extremamente concorridos. E o bolinho segue imbatível. Frito constantemente, está sempre quentinho e custa R$3 a unidade. Crocante e com a proporção perfeita entre batata e bacalhau, o bolinho tem tempero na medida certa e desce perfeitamente com o bom azeite português servido. Tiro certo.

Imbatível.. O Cantinho das Concertinas continua fazendo os melhores bolinhos.. E durante a semana sem caos!

Imbatível.. O Cantinho das Concertinas continua fazendo os melhores bolinhos.. E durante a semana sem caos!

Ao lado da casa fica a Gruta São Sebastião. Também ao custo de R$3 a unidade, o bolinho não chamou tanto a atenção principalmente por ter mais batata em sua composição. O que realmente ficou na memória e de maneira negativa foi o azeite servido. Em um lugar com variedades do óleo a preços tão bons, se torna um crime colocar na mesa um azeite de qualidade tão baixa como aquela. Gosto realmente horroroso que mata o bolinho.

O primeiro bolinho não se destacou nem para cima e nem para baixo.. Estava gostoso, mas não inesquecível..

O primeiro bolinho não se destacou nem para cima e nem para baixo.. Estava gostoso, mas não inesquecível..

Mais na frente encontramos o Empório Gourmet Show. A delicatessen que vende muitas iguarias, vinhos, cervejas e uma penca de produtos importados inaugurou no sendo andar um restaurante. O cardápio até chama atenção, mas a missão era bolinho de bacalhau. E o da casa, que inaugurou filial no Complexo Gastronômico do Lagoon, já comentado aqui, foi o pior do dia. Assim que chegou na mesa já deu para prever que não estaria gostoso. Apenas morno, deixou a impressão de que já estava frito há muito tempo. Pesado e duro, foi uma decepção incrível. E justamente na casa que quer impor uma linha mais gastronômica. Ah! E ainda é menor e mais caro que os anteriores: R$3,90 a unidade.

A aparência já deixava claro de que o bolinho não estaria o ideal.. No sabor a mesma coisa: o pior deles.

A aparência já deixava claro de que o bolinho não estaria o ideal.. No sabor a mesma coisa: o pior deles.

Mais para o final da avenida principal, o Empório Quintana do simpático chef Leonel também chama atenção. Além de vender bons produtos, o chef desenvolveu um cardápio interessante que me chamou atenção e deixou curioso. Mas vamos ao bolinho: frito na hora, chegou extremamente crocante por fora e macio por dentro. Proporção boa entre batata e bacalhau. Estaria perfeito se tivesse um tiquinho a mais de sal, mas a prudência em relação ao teor do próprio peixe falou mais alto. Também sai a R$3,90 a unidade.

Crocante, sequinho e com boa proporção.. Faltou apenas um pingo de sal para ficar ideal.. Belo bolinho...

Crocante, sequinho e com boa proporção.. Faltou apenas um pingo de sal para ficar ideal.. Belo bolinho…

O último encerrou muito bem a empreitada. Apesar de ter a carne como principal item do cardápio, o Costelão do Cadeg serviu um excelente bolinho. E olha que estava receoso, já que comi lá uma vez há bastante tempo e não saí satisfeito. Mas o bolinho desenvolvido pelo chef Gilberto Fellows e frito na hora bem temperado e saboroso me fez pensar em voltar para almoçar. Vendido em porção (R$20 por dez unidades), desceu maravilhosamente com o chope Eisenbahn.

A surpresa.. Não imaginava que fosse comer um bolinho tão bom no Costelão, especializado em carnes..

A surpresa.. Não imaginava que fosse comer um bolinho tão bom no Costelão, especializado em carnes..

Passamos ainda pelo Galeto Brasa, mas a aparência nada convidativa do bolinho já frito no balcão somado a um almoço ruim que já tive por lá nos fizeram desistir da avaliação. A Adega Cesari, logo no início, estava sem bolinhos e também acabou não sendo avaliada. Surpreende também o Barsa, casa gourmet com pegada lusitana, não servir a iguaria. Mas podem ir na punheta de bacalhau sem medo. Vale muito.

No fim das contas, venceu a tradição das Concertinas. Mas as demais investidas mostraram que está cada vez melhor comer por lá. E mais do que nunca, você que ainda não conhece o (a) Cadeg, está mais do que na hora de perder um dia por lá. E chegue cedo! O dia por lá começa às 4h!

Mais informações sempre no Twitter e no Instagram (@GastroEsporte). Até a próxima! Beijos em todos! Ah! Lembrando que agora o Gastronomia por Esporte também está no Facebook! Cliquem e curtam a página! Por lá vocês vão conferir todas as novidades do blog! www.facebook.com/gastroesporte