Arquivo da tag: Checho Gonzáles

Escobar: os retornos provaram que a estreia foi um ponto muito fora da curva. Opções leves e refrescantes

A primeira investida foi um desastre. O atendimento caótico tirou qualquer tipo de prazer que se poderia ter na boa comida e bebida. Saí de lá dizendo que não voltaria. Mas, simpáticos, os sócios nos convidaram para retornar e explicar os motivos para aquela tarde complicada. Após este encontro, estive lá em outras duas oportunidades e de fato confirmei que minha estreia no Escobar tinha sido um ponto muito fora da curva.

20131219_232740

Desta vez a equipe estava completa e o atendimento se deu sem qualquer transtorno. E é isso o importante, já que mesmo na estreia difícil deu para ter a certeza de que o cardápio era bem feito. Nesta última vez, a casa estava cheia e fomos acomodados no bar. Não me importei nem um pouco. Sou fã de um balcão e ali é uma diversão acompanhar a alquimia dos drinks. Então para nós, um Clericot refrescante (R$ 60 a jarra de um litro).

20131219_210940 20131219_213449_LLS

A ideia era aplacar o calor que tinha feito ao longo do dia. Então fomos apenas de ceviches, tiraditos e afins. Aliás, uma ideia perfeita e bem levinha para os dias infernais do Rio de Janeiro, O primeiro foi o Tiradito de Namorado (R$ 26). De todos os itens do cardápio, é o que mais gosto. Fatias finas do peixe fresco, limão galego, brotos, pimenta biquinho e um crocante de pão árabe. Maravilha.

20131219_214105_LLS

Em seguida fomos para os ceviches. Primeiro o de robalo (R$ 22). O toque vem de uma salsa de tomate com hortelã que se junta aos ingredientes tradicionais. O crocante de batata doce dá textura e sabor também.

20131219_221329_LLS

O ceviche de bonito (R$ 24) é menos tradicional, mas não menos gostoso. O vinagrete oriental é feito com maracujá e a acidez se mostra bem equilibrada.

20131219_220540_LLS

Comemos também o de camarão com vieiras e leite de coco (R$ 32). Foi o que menos gostei, apesar da boa textura das vieiras.

20131219_224555_LLS

Fechamos com a causa de camarões (R$ 28). O purê de baroa com um toque de aji amarillo estava espetacular. Cremoso e saboroso assim como o aioli que vem espalhado pelo prato. Comeria mais do molho. Confesso que me deu vontade de passar o dedo.

20131219_214133_LLS

De sobremesa, panquecas recheadas com sorvete de doce de leite. Fininhas e gostosas. O sorvete não é tão doce e faz bom contraste com o próprio doce de leite que vem como decoração no prato. Comer os dois juntos na mesma colherada traz equilíbrio perfeito.

20131219_231254_LLS

Foi bom ter baixado a guarda e voltado. Como disse na estreia, é um lugar próximo e conveniente para mim. Além disso, da comida não tive o que falar. Passado o caos da inauguração, a equipe se mostrou azeitada e a tendência é realmente não encontrarmos mais os problemas de antes. É o que realmente espero. Até a próxima!

Escobar

– Rua General San Martin – 359, Leblon, Rio de Janeiro – RJ – (21) 2259-9482 / (21) 2274-8871
Segunda a quinta, das 11h45m às 15h30m e das 18h à 1h30m. Quinta a sábado, das 18h às 3h.

Mais informações sempre na página do Facebook, E no Instagram (@GastroEsporte)! Até a próxima!

Anúncios

Escobar: o que tinha tudo para dar certo se tornou uma tarde extremamente desastrosa e desagradável

Tinha tudo para ser uma grande tarde. Fui para o Escobar com uma expectativa alta em função do que conheço do trabalho do Chef Checho Gonzales. Ao lado de amigos, a ideia era ter um agradável almoço na folga de sábado com boa comida e bons drinks. No entanto, o caldo entornou. Uma sucessão de equívocos, desculpas esfarrapadas e absurdos acabou com os nossos planos causando um desagradável clima de estresse, revolta e decepção na nossa mesa.

Sentamos às 14h. O restaurante, com salão extremamente bem decorado e sóbrio além de contar com um bar que fica no centro convidando você a tomar um drink preparado diante dos seus olhos dependendo de onde você senta, não estava cheio. Ainda esperando mais duas pessoas, éramos três neste momento, pedimos duas bebidas da criativa carta desenvolvida pelo mixologista Gustavo Stemler.

20131026_140850 20131026_140856

Um deles foi mais tradicional: Bloody Mary (R$ 28). Não sou fã, mas provei e de fato estava espetacular. Já eu fui em uma das criações: chope molecular. O meu levava Pisco Capel, hibiscos, limão siciliano e colarinho de Negroni (R$ 19). Muito diferente, uma delícia quando bebia os dois componentes juntos. Mas nada deste prazer veio sem antes do primeiro “shot” de estresse.

20131026_143420

Posicionado de frente para o bar, pude ver a finalização dos drinks na minha frente. Mas quem disse que assim que foram posicionados no balcão alguém foi lá buscar para trazer? Foram quase dez minutos vendo eles parados lá até o momento em que tivemos de nos levantar e ir lá buscar. Isso mesmo: ir lá buscar. O barman nada entendeu. Ao informarmos o que tivemos de fazer, fomos comunicados de algumas ausências na equipe. Procuramos entender e seguimos com a tarde.

Agora com a mesa completa, fomos escolher mais um drink. Pedimos a jarra de 1 litro de Clericot (Vinho branco, frutas vermelhas, abacaxi e alecrim – R$ 60). A situação acima se repetiu sem tirar nem pôr: uma excelente combinação, extremamente refrescante, mas que novamente tivemos de praticamente nos levantar para pedir que alguém trouxesse a jarra e as taças.

20131026_151900

O clima na mesa começou a ficar pesado, mas eu estava extremamente esperançoso na comida e tentava amenizar. Às 15h fizemos o pedido. Foram quatro menus do Restaurant Week e uma pedida à la carte. Neste meio tempo, o clima na casa já era tão caótico que presenciamos dois casais entrarem, ficarem em pé esperando algum tipo de atendimento e irem embora após serem completamente ignorados.

45 minutos depois, chegaram as entradas. Vamos repetir: 45 minutos. O que eram as entradas? Ceviches e tiraditos. Absolutamente nada levava forno, fogão ou um preparo elaborado. 45 minutos para dois ceviches de robalo, um de camarão e dois tiraditos de namorado. Como eu já esperava, a comida estava muito boa. O ceviche estava equilibrado, muito bem temperado e o peixe na textura certa. O tiradito veio com fatias no tamanho certo e a combinação de brotos, limão galego, pimenta biquinho e palha de pão árabe foi muito boa e criativa. Mas a demora nos tirou parte do prazer.

20131026_153834 20131026_153846

Após a entrada, os minutos foram passando e o clima passou a ser de preocupação. Afinal de contas, duas na mesa trabalhavam às 17h. Já passava das 16h e nada dos pratos principais. Chamávamos os funcionários e cada um dava uma versão. Na mesa ao nosso lado, o prato principal antes da entrada. Caos. Um dos chefs desceu para ajudar no atendimento tamanha era a confusão. Para tentar amenizar ele nos mandou uma cortesia: Guacamole com chips de batata doce. Mais uma vez tudo muito gostoso. O abacate extremamente fresco e temperado. Os chips, apesar de oleosos, muito saborosos.

20131026_155558

Já irritado com a demora, fui até o bar pedir lá diretamente o meu drink. E mais uma surpresa incrível: Mojito feito com rum com infusão de tomate seco, tomate cereja e manjericão (R$ 19). Diferente demais do que se encontra por aí.

20131026_161608

Foi um sopro de calma que acabou de vez às 16h30. Uma hora e meia depois de termos feito os pedidos, os pratos chegaram trocados na mesa. Sim. Pedimos quatro peixes em papilotte com cogumelos e sem que ninguém nos avisasse de absolutamente nada apareceram em nossa mesa quatro trutas com molho de tomate e especiarias. Ali a brincadeira acabou de vez. Me recusei a encostar no prato e não queria nem que fosse servido. Meu amigo pediu um bife grelhado que foi o pedaço de carne mais depressivo que já vi em toda minha vida. Não tive coragem de tirar foto assim como ele de provar. Só pensava em ir embora.

Ao perceber o clima de revolta, um dos donos veio na mesa e nos disse que o nosso prato pedido às 15h havia acabado. E o nosso foi substituído por outro sem que ninguém fosse consultado. Ele continuou dizendo que teve um problema de fornecimento nos peixes. Isso é algo que muito me espanta. Grande parte do cardápio da casa conta com peixe. Se isso foi identificado cedo, assim como o problema com o staff, não seria mais inteligente fechar as portas por um dia para normalizar as coisas e evitar este tipo de situação constrangedora? Em seguida, nos disse que não iria cobrar o que havia sido consumido como se fosse um favor quando na verdade isto era o mínimo que ele deveria fazer.

Como disse, tinha tudo para ser uma grande tarde. O que comi, e principalmente o que bebi, estava muito bom. A gente chega da casa da Luna em cinco minutos andando lá. Ou seja, tinha tudo para me tornar um cliente assíduo. No entanto, tudo o que aconteceu me fez querer tomar distância. Saímos de lá frustrados, irritados e extremamente decepcionados. Uma pena. Nem o Checho e nem o Gustavo merecem colocar em risco a reputação de ambos em algo que beirou o amador.

Escobar

– Rua General San Martin – 359, Leblon, Rio de Janeiro – RJ – (21) 2259-9482 / (21) 2274-8871
Segunda a quinta, das 11h45m às 15h30m e das 18h à 1h30m. Quinta a sábado, das 18h às 3h.