Arquivo da categoria: Vinhos

Vinhos âmbar no Copacabana Palace: um novo mundo a ser descoberto

Brancos, rosés e tintos. Na linhagem dos não especialistas, estas são as três divisões clássicas dos vinhos. Mas a medida que você vai estudando, viajando, e, é claro, bebendo, vai descobrindo novas “tonalidades” e, acima de tudo, sabores. É o caso dos vinhos âmbar ou, para tentar popularizar o sofisticado, vinhos laranja. Em linhas gerais, porque os detalhes técnicos eu deixo para o amigo Pedro “Talheres”, um branco produzido de forma semelhante a um tinto – ou seja, o suco da uva fica em contato com as cascas e é isso o que garante a cor diferenciada.

20160411_214313

A cor já chama atenção, mas o que impressiona são os aromas e sabores provenientes do armazenamento em alguns casos em ânforas de barro, forma tradicional de conservar vinhos na antiguidade. Tonéis de carvalho ou cimento também podem ser utilizados nestes vinhos que, em sua maioria, chegam da Itália.

20160411_203118

É o caso dos oito exemplares que serão disponibilizados em taça no bar do Cipriani, no Belmond Copacabana Palace, entre esta quinta (14) e sábado (16). Os rótulos foram selecionados por Ed Arruda, sommelier executivo da casa. As taças custam a partir de R$ 35 e podem ser acompanhadas por um delicioso menu de quatro etapas, entre elas o espetacular foie gras aí de baixo que coroa uma crocante fatia de brioche de cacau e uma geleia de cebola. Conforto a cada bocada.

20160411_205246

Aproveitem. Sério. É coisa de maluco! Até a próxima! Saúde!

Bar do Cipriani, das 19 às 00h. Valor: a partir de R$ 35 por taça / Menu degustação R$ 45. Reserva: 21 2548 7070. Endereço: Avenida Atlântica 1702.

Anúncios

Sabores mediterrâneos no Cipriani

Por Luna Vale
Ir a um dos restaurantes do Copacabana Palace é sempre certeza de bom serviço e boa comida. Por isso, não pensei duas vezes ao ser convidada pelo pessoal do Embarque na Viagem para participar de um jantar e escrever a respeito para os dois sites.  Se a cozinha do chef Luca Orini, do Cipriani, não deixa a desejar, imagine então um jantar com o chef Corrado Corti, do restaurante La Terrazza, que veio diretamente de Portofino, na Itália, para participar de mais uma edição do Master Series. O evento, promovido pelo hotel, convida chefs internacionais para participarem um intercâmbio nos restaurantes da casa.

Até este ‘sábado (23), o chef italiano estará preparando um cardápio exclusivo com 20 opções de pratos, entre entradas, principais e sobremesas com foco na culinária Mediterrânea, disponíveis no Cipriani. Para harmonização do jantar, o sommelier Ed Arruda preparou uma carta de vinhos com rótulos exclusivos.

Os trabalhos foram abertos com um levíssimo creme de iogurte com pepino, dill e lagostins no ponto correto de cocção. Tomate, finas fatias de cebola roxa e um crispy de gergelim complementavam a entrada trazendo textura e ainda mais sabor. A pedida casou perfeitamente com o o espumante italiano Villa Crespia Franciacorta Brut de sabor levemente tostado e uma bela coloração dourada.

O primeiro prato foi um dos pontos altos da noite. Fazendo jus à sua cozinha mediterrânea, o chef serviu um robalo ao molho com a combinação clássica e fresca de tomates, alcaparras, azeitonas pretas e pinoli . A ousadia em meio ao básico veio na forma de uma interessante crosta negra feita com tinta de lula.

Em seguida, a melhor harmonização do jantar: o risoto Carnaroli com vongole, creme de limão siciliano com acidez na medida e pesto de manjericão foi a companhia perfeita para o italiano Skerk Orgrade 2011. Ao encher as taças, a coloração bem alaranjada do vinho branco chamou atenção, mas a acidez e frescor casaram muito bem.

Finalizou a etapa principal um medalhão de vitela com foie gras ao molho feito com redução do vinho Sciacchetrà, acompanhado de maçã cozida, creme de abóbora e aspargos. O ponto da carne estava perfeito, mas o fígado acabou passando um pouco o que tirou a suculência característica.

A sobremesa, na minha opinião, sempre a melhor parte da refeição, não deixou a desejar. O crème brûlée de pistache chegou à mesa com uma textura de panna cotta (não à toa, em italiano se chama “crema cotta”) ladeado por um levíssimo sorvete de baunilha e um crumble de limão siciliano.

Acho que posso dizer que estreei no jornalismo culinário em grande estilo, certo? Como diria o Rafa, saúde! E até a próxima! =)

Malbec Day: Casarão Ameno Resedá celebra a uva com muitos vinhos argentinos nesta quarta (16/4)

Atenção amantes do vinho. Nesta quarta-feira, dia 16 de abril, o Casarão Ameno Resedá vai receber o Malbec Day, dia internacional de comemoração da uva Malbec. Como não poderia deixar de ser, nas taças estarão uma grande variedade de malbecs argentinos, já que nossos hermanos são hoje os produtores de alguns dos vinhos mais festejados com essa casta.

As importadoras Casa Flora, Zahil, Decanter, Asa Gourmet, Devinum, Mistral, Interfood e Winebrands apresentam o evento, que vai das 16h às 20h. O convite sai por R$ 60, mas sócios da ABS (Associação Brasileira Sommeliers) e da Sbav (Sociedade Brasileira dos Amigos do Vinho) pagam R$ 40. Nos vemos lá! Saúde!

image

Casarão Ameno Resedá

Endereço: Rua Pedro Américo, 277 – Catete
Data: 16/04
Horário: das 16h às 20h
Para informações e convite: eventos@cieba.com.br
tel. 3178-0016 com Victoria

 

Degustação vertical do Marquês de Borba Reserva: uma verdadeira aula com o enólogo João Portugal Ramos

Não é sempre que temos o privilégio de conhecer uma figura importante no cenário dos vinhos portugueses. Melhor ainda quando podemos ainda trocar ideias, experiências, aprender mais a cada minuto e ainda degustar a linha reserva das suas criações. A convite da Casa Flora, estive na Churrascaria Fogo de Chão para a degustação vertical dos vinhos Marquês de Borba Reserva comandada por João Portugal Ramos, produtor e proprietário da vinícola que leva o seu nome.

20140331_140946

Antes de abrir os trabalhos, o simpático João lembrou suas origens e voltou ao início dos anos 90 quando produziu sua primeira garrafa a partir da plantação próprio no quintal de casa. Ali começou a consolidar o seu nome até se tornar a referência que é hoje, acumulando quatro prêmios de enólogo do ano por publicações diferentes.

20140331_142504

A degustação se deu do mais velho, o 1997, para o mais novo, o 2011. Entre eles 1999, 2003, 2005, 2007, 2008 e 2009. Para João, o último é considerado sua melhor colheita. Por ele recebeu o prêmio de melhor tinto do Alentejo da “Revista de Vinhos”. E de fato foi uma taça extremamente especial.

As castas não variam de ano para ano. Estão lá as clássicas uvas do Alentejo: Trincadeira, Aragonês e Alicante Bouschet. Além do trio, João inclui sempre a francesa Cabernet Sauvignon, utilizada por ele como “tempero” para equilibrar ainda mais os vinhos.

Suas safras não possuem padrão exato. A cada ano a porcentagem de cada casta muda em função do clima que acaba influenciando a colheita. Em alguns anos nem chegou a engarrafar por julgar que o alto nível não tinha se repetido.

20140331_161602

E essa questão extremamente autoral se reflete nas taças. Em alguns anos as frutas vermelhas aparecem mais fortes no nariz, em 2009 e 2011, por exemplo. Ambos extremamente elegantes com taninos redondos e equilibrados. Em outros, especialmente nos mais antigos, os aromas remetem a frutas mais maduras. O 1997, que veio em duas garrafas Magnum, ficou muito melhor após respirar.

20140331_173102

Ano que chamou atenção também foi 2008. João explicou que foi a menor concentração de Cabernet em suas criações. O vinho se tornou mais mineral e recebeu avaliações extremamente positivas em publicações especializadas. E no prato, belos cortes de carne como a costela que chega se desmanchando após horas assando como o nome da casa em uma apetitosa vitrine na porta.

20140331_173424

No fim, uma taça do Porto Duorum 2007 e a alegria por um belo almoço recheado de vinhos maravilhosos e de uma verdadeira aula. Mais informações sempre na página do Facebook, E no Instagram (@GastroEsporte)! Saúde e até a próxima!

Quinta de São José: vinhos especiais do Douro em uma tarde com o enólogo João Brito e Cunha

É sempre um prazer degustar um vinho com o enólogo e winemaker que produziu o conteúdo das garrafas. Nós podemos buscar identificar aromas e características que entram na nossa cabeça a cada gole, mas só o produtor tem a capacidade de explicar exatamente o que ele pretendia com aquele corte, com o processo de envelhecimento e te guiar pelos caminhos de cada taça. Tive este privilégio ao conhecer o português João Brito e Cunha e seus vinhos, da vinícola Quinta de São José, no Douro. Fizemos uma degustação de praticamente toda a sua linha na Cavist, em Ipanema, acompanhado de um belo almoço.

20140320_131743

Com o refrescante branco Ázeo na taça, João, que veio ao Brasil a convite da importadora WineMundi, representante dos seus vinhos por aqui, contou um pouco da história do Douro e em particular de sua vinícola. Com uma produção pequena, procura dar uma identidade a cada vinho. Além disso, o espaço de dez hectares conta também com uma pousada para estimular o enoturismo na região.

20140320_132657

Mas voltemos à taça. O Ázeo foi uma revelação para mim, já que não conhecia as castas Viusinho e Rabigato. No primeiro gole o vinho se mostrou agressivo. Mas bastaram cinco minutos para o frescor tomar conta e os aromas frutados tomarem conta. Harmonizou perfeitamente com um carpaccio de Hadoque defumado com raspas de limão siciliano.

20140320_134020 20140320_133825

A brincadeira seguir em frente com o Quinta de São José tinto. Feito com as uvas clássicas da região, Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz, é um bom vinho de entrada. Foi harmonizado com bacalhau envolto por um crisp de parmesão, receita que, por sinal, já mostrei como se faz aqui.

20140320_135452

O terceiro ganhou a mesa. O Quinta de São José Reserva 2010 é um belo vinho. Feito com Touriga Nacional de vinhas velhas da quinta, passa por barricas de carvalho francês por um ano e ganha bastante complexidade. Bem frutado, mas com taninos equilibrados. No prato, duo de cordeiro com manteiga de ervas e legumes salteados. Estivesse o cordeiro um pouco mais mal passado o prato seria perfeito. Mas o casamento com o vinho foi realmente espetacular.

20140320_141952 20140320_142454

Com esta mesma pedida, provamos ainda o Grande Reserva da Quinta de São José, que veio em garrafa Magnum do ano de 2011. A opinião na mesa foi praticamente a mesma. É, de fato, um vinho especial feito com as vinhas mais velhas das castas Touriga Nacional e Touriga Franca e fermentados em lagares após serem pisadas como antigamente. Se tivéssemos bebido esta safra daqui a três anos pelo menos a experiência seria ainda mais especial. Afinal de contas, estamos diante de um vinho que tem potencial de guarda. Mas na taça estivemos diante de um vinho complexo, com mineralidade no ponto certo, novamente frutas no nariz e equilíbrio ideal. 

20140320_144125

No fim, o São José Vintage Port com banana caramelada, doce de leite, sorvete de canela e farofa de paçoca. Fim de uma tarde especial, de muito conhecimento, boa conversa e, como sempre, boa comida!

20140320_145708

Mais informações sempre na página do Facebook, E no Instagram (@GastroEsporte)! Até a próxima!

Jantar de fim de ano da Confraria Velusué: inspiração para a semana após muita comida e belos vinhos!

Poucas coisas são mais divertidas do que quando um grupo de pessoas amigas se reúne para beber e comer bem. É garantia de bons momentos e muitas risadas. Este é o princípio que rege a Velusué, confraria de vinhos para a qual fui convidado pela minha sogra Marcia. Os encontros, este foi meu terceiro e os outros dois vocês relembram aqui e aqui, são sempre extremamente divertidos e acima de tudo saborosos.

Este ano, pela primeira vez, o presidente e chef Beto abriu sua cozinha para demais membros. E mesmo sendo um calouro tive a honra de passar a tarde por lá, acompanhar a finalização de muitos amuses e pratos e dar minha contribuição com os cogumelos do Que Marravilha!. Foi uma tarde especial.

Neste post não teremos receitas. É para servir apenas de inspiração. Daqui podem sair ideias de apresentação e também de pratos. Alguns aprendi e futuramente com certeza colocarei no blog. A mesa de antipasto, por exemplo tinha um belo hummus caseiro, babaganuche, punheta de bacalhau, tomates secos que foram hidratados em casa com azeite aromatizado, rolinhos de berinjela com ricota temperada…

20131214_214928 20131214_212034

Este mereceu um close e será reproduzido aqui em casa, e consequentemente no blog, ainda este ano. Alhos confitados em azeite com alecrim, tomilho e pimenta rosa. Espetacular.

20131214_212116

O primero amuse da noite foi um gazpacho com manjericão macerado em azeite e mussarela de búfala. Outra que estará aqui no blog em breve.

IMG-20131216-WA0003

Em seguida creme de baroa feito com a água do camarão coroado pelo próprio camarão salteado com alho, pimenta rosa e coentro.

20131214_221022

O auge da noite, na minha opinião, foi a polentinha. Cremosa e saborosa em função do caldo de legumes caseiro, foi servida com uma gema crua de codorna e trufas negras. Absurdo.

20131214_223536

Outro ponto alto foi o chorizo português picante rapidamente salteado em frigideira com mel de figo, iguaria que não conhecia. Maravilhoso e um show de contrastes.

20131214_225248

Os principais foram três. O frango recheado com damasco e envolto em bacon ou presunto de parma veio com uma redução de mel, shoyu e suco de laranja.

20131214_230502

O bacalhau de forno vinha com cenouras, batatas e coroado por ovos batidos, parmesão e bastante azeite.

20131215_001739

Já os meus cogumelos foram servidos ao lado de escalopes de mignon com Aceto Balsâmico envelhecido.

IMG-20131216-WA0004

Nos vinhos, a foto mostra que a festa foi boa. Entre os espumantes destaque absoluto para o Salton Gerações Antônio Domenico Salton. Uma beleza de cor intensa e aromas bem interessantes. Nos tintos, fomos do Uruguai até a Austrália. Mas o destaque foram dois franceses. Um da região de Bordeaux, o Le Colombier de Brown. O outro foi o Le Château Musset Chevalier, um Saint Emilion Grand Cru. Espetacular.

20131215_022259

Espero ter inspirado os amigos e amigas leitores assim como fui pelo Chef Beto e seus confrades. Como disse, algumas das receitas em breve postarei aqui completinhas. Aqui a ideia foi só deixá-los com certa inveja. Uma boa semana a todos. Saúde!

Mais informações sempre na página do Facebook, E no Instagram (@GastroEsporte)!

Paleta de Javali assada… Descubra parte dos segredos na longa jornada até Campos!

Comida nos faz cometer certas loucuras. Esta semana foi minha vez. Saí do trabalho rumo à rodoviária e peguei um ônibus para Campos onde mora meu irmão. Até aí tudo bem, mas as chuvas que causaram o caos no Rio na terça fizeram com que a viagem que normalmente dura quatro horas acabasse durando sete, sendo que o busão ficou parado pouco mais de duas horas no mesmo lugar. Desesperador, mas a recompensa seria boa: uma noite de belos vinhos coroada com a paleta de javali assada pelo Doutor e chef André.

As lascas da paleta de javali perfeitamente assada e coroada com o saboroso molho que ganhou toques de pimenta dedo de moça...

As lascas da paleta de javali perfeitamente assada e coroada com o saboroso molho que ganhou toques de pimenta dedo de moça…

O médico provou ser especialista também na cozinha. E misterioso também. Fui com a intenção de acompanhar o processo todo de preparação do javali, mas o chef André não abriu o jogo. Só que sou persistente e arranquei alguns detalhes que vou passar por aqui. A intenção agora é fazer na minha casa e aí sim ensinar todo o passo a passo. Enquanto não faço, vamos ver o que conseguimos arrancar.

Chef André ainda nos presenteou com batatinhas calabresa como entrada antes da paleta...

Chef André ainda nos presenteou com batatinhas calabresa como entrada antes da paleta…

De gosto mais forte do que a carne de porco convencional, o javali pede uma marinada. Estavam lá alho-poró, alecrim, tomilho, cebolas, cenouras, bastante alho, sal, pimenta do reino, salsinha, salsão e duas taças de vinho tinto. A paleta pesava cerca de 2,5 quilos. Coloque os legumes picados grosseiramente em um tabuleiro junto com o vinho e deixe na geladeira de um dia para o outro. Falam em 24 horas. Acho demais. A marinada e os legumes é que vão formar o molho depois.

Hora de ir para o forno em uma assadeira bem vedada com papel alumínio. Temperatura bem baixa, cerca de 160 graus. No mínimo três horas lá dentro. Não se pode ter pressa nesse preparo. A carne precisa soltar do osso. Chef André chegou com ela pré-assada durante estas três horas. Ela foi finalizada em forno alto, sem o alumínio por mais 40 minutos, mais ou menos.

Foram duas paletas que ficaram mais de três horas no forno baixo com os temperos e os legumes..

Foram duas paletas que ficaram mais de três horas no forno baixo com os temperos e os legumes..

Após o forno baixo, finalize em forno alto sem alumínio para deixar a casquinha crocante e caramelizada..

Após o forno baixo, finalize em forno alto sem alumínio para deixar a casquinha crocante e caramelizada..

Vamos ao molho. Após assar a paleta, leve ao fogo a assadeira com os legumes e jogue vinho tinto, caldo de legumes, pimenta dedo de moça e uma colherzinha de farinha de trigo para ajudar a engrossar. Deixe reduzir e passe tudo por uma peneira pressionando bem os legumes cozidos para que o sabor fique marcante. A essência é essa.

O acompanhamento do dia foi uma farofa bem completa. Mas cabe perfeitamente com um couscous marroquino simples ou com batatas assadas.

Antes de ser fatiada, a paleta na mesa com o molho servido separadamente e a farofa ao fundo... Delícia!

Antes de ser fatiada, a paleta na mesa com o molho servido separadamente e a farofa ao fundo… Delícia!

Tudo foi corado com uma bela seleção de vinhos. Passamos por Argentina, Chile, Estados Unidos e África do Sul. De todos, destaque para o blend Del Fin Del Mundo Gran Reserva 2006, o Hartenberg Cabernet Sauvignon/Shiraz 2005 e o frutado americano Chateau Ste Michelle Syrah 2009. Vinhos com personalidade e corpo para acompanhar a carne saborosa com molho de personalidade.

Noite de bela comida e também de belos vinhos.. Tudo harmonizado de maneira perfeita...

Noite de bela comida e também de belos vinhos.. Tudo harmonizado de maneira perfeita…

No fim, o sorriso estava estampado no rosto de todo mundo. Afinal de contas, não dá para não ficar feliz após um belo jantar e muito vinho. O sono dos justos veio no ônibus coroando a loucura direto do jantar. Às 3h começava a viagem de volta. Desta vez sem trânsito e com cansaço acumulado.

Depois de seis garrafas e muita comida, rolou até fanfarronice. No cenro, de blusa clara, o Chef André..

Depois de seis garrafas e muita comida, rolou até fanfarronice. No cenro, de blusa clara, o Chef André..

Espero que tenha dado para ter uma ideia de como fazer. Se não, a culpa é todinha do médico e chef André, que escondeu em sua cozinha de Campos os segredos dos leitores do Gastronomia por Esporte. Mas espero ter conseguido guiá-los e, como disse, prometo fazer minha versão em casa ainda este ano para colocar aqui. E, desta vez, sem longas e cansativas viagens de ônibus. Abraços e até a próxima!