Arquivo mensal: janeiro 2013

Cebolas caramelizadas no balsâmico.. Transforme seu filé e ainda ganhe uma compota!

Sabe aqueles dias em que você não quer apenas comer um simples bife grelhado? Pensei então em um acebolado rápido. Mas para que isso se você pode pegar aquela cebola e caramelizar com vinagre balsâmico e deixá-la docinha, quase como uma compota? Perfeito, não? Então vamos lá para a dica de hoje. É preciso basicamente paciência, mas o resultado final compensa muito.

As cebolas por cima de um belo bife de filé mignon.. Almoço perfeito com um pouco de paciência...

As cebolas por cima de um belo bife de filé mignon.. Almoço perfeito com um pouco de paciência…

Vamos aos ingredientes. O ideal é fazer com cebola roxa. Mas neste dia não tinha muitas então misturei as duas. Foram três cebolas médias cortadas em meia lua. Junto com ela você vai precisar de uma pimenta dedo de moça, cinco colheres de sopa de balsâmico, azeite, manteiga, sal, pimenta do reino, uma pitada de açúcar e uma dose de cachaça para flambar (este é opcional).

Cebolas, pimenta, manteiga, cachaça, balsâmico... Tudo separado para a sua receita...

Cebolas, pimenta, manteiga, cachaça, balsâmico… Tudo separado para a sua receita…

Cebolas cortadas em meia lua, pimenta bem miúda... mise en place formado..

Cebolas cortadas em meia lua, pimenta bem miúda… mise en place formado..

Na mesma panela que você grelhou o bife, jogue um fio de azeite, uma colher de sopa da manteiga, as cebolas, sal, açúcar, pimenta do reino e a pimenta dedo de moça. Tudo isso vai esfriar a panela que estava quente após a carne. Dois minutos depois, você coloca o fogo do seu fogão no mínimo. E aí começa o trabalho de paciência.

Após grelhar o bife, a panela estará bem quente.. As cebolas entram de uma vez com a pimenta, o sal e o açúcar e diminuem o calor.. Feito isso, abaixe o fogo!

Após grelhar o bife, a panela estará bem quente.. As cebolas entram de uma vez com a pimenta, o sal e o açúcar e diminuem o calor.. Feito isso, abaixe o fogo!

Cinco minutos depois, sempre mexendo, ela já começa a murchar.

Depois de cinco, seis minutos, as cebolas murcham e começam a ficar caramelizadas...

Depois de cinco, seis minutos, as cebolas murcham e começam a ficar caramelizadas…

Mais uns três minutos é a hora de juntar as cinco colheres de sopa do balsâmico. Mexa um pouquinho.

Depois de mais alguns minutos, entre com as colheres de balsâmico, mexa e coloque também a cachaça!

Depois de mais alguns minutos, entre com as colheres de balsâmico, mexa e coloque também a cachaça!

Reduziu, entre com a cachaça e flambe com MUITO cuidado.

Com cuidado, use um fósforo para colocar fogo na cachaça e ferver o álcool... Dá um sabor todo especial..

Com cuidado, use um fósforo para colocar fogo na cachaça e ferver o álcool… Dá um sabor todo especial..

Mexa por mais alguns minutos, sempre em fogo baixo.Esta é a reta final. Jogue um pouquinho de água para soltar o fundo caramelizado da panela e espere secar.

Depois de secar a cachaça e colocar um pigo de água para soltar o fundo, espere secar e pronto!

Depois de secar a cachaça e colocar um pigo de água para soltar o fundo, espere secar e pronto!

Secou está pronto. Servi em cima de um belo bife de filé mignon grelhado conforme visto lá na primeira foto. O que sobrou coloquei em um pote de vidro e guardei na geladeira. Você pode comer com uma torrada, servir junto com um queijo de sabor forte para equilibrar… Uma verdadeira compota!

Guarde o que sobrou em um pote de vidro bem limpo e coloque na geladeira.. Você tem em mãos uma compota!

Guarde o que sobrou em um pote de vidro bem limpo e coloque na geladeira.. Você tem em mãos uma compota!

Espero que a receita tenha agradado. Caso queira fazer um simples acebolado a opção é sua. Mas com 15 minutos a mais sai essa beleza daí. Mais informações sempre no Twitter e no Instagram (@GastroEsporte). Até a próxima! Beijos em todos!

Luigi’s.. Italiano simples, correto e na medida para um domingo pós choro..

Antes de qualquer coisa, minhas desculpas pela falta de atualização nesta última semana. Já já conto para vocês a grande e MARRAVILHOSA novidade. Para amenizar, no domingo agora, como já recomendei aqui, a manhã foi na São Salvador curtindo aquele choro, um bom papo, amigos, crianças e uma cerveja gelada. Resolvemos não aproveitar tanto as delícias da praça e fomos almoçar no pequeno, mas muito simpático e charmoso Luigi’s.

De fachada acanhada, o lugar fica a poucos passos da praça e faz uma culinária italiana de dia a dia bem honesta e com bons preços. Claro, não espere alta gastronomia ou pratos inesquecíveis, mas a opção é mais do que válida para completar o bom programa que é a São Salvador aos domingos.

O lado de fora do Luigi's é muito agradável.. Decoração legal e clima ameno, principalmente se não estiver calor..

O lado de fora do Luigi’s é muito agradável.. Decoração legal e clima ameno, principalmente se não estiver calor..

Bem iluminado e com bom ar condicionado, o salão é agradável se a varanda estiver cheia..

Bem iluminado e com bom ar condicionado, o salão é agradável se a varanda estiver cheia..

Comece pelo couvert (R$ 15,50). Pizza branca crocante, pão italiano, manteiga, patê e um antepasto italiano que tinha pimentões, beringela e azeitona marinados em azeite temperado com ervas e vinagre. Este último item estava um pouquinho ácido. Além disso o ponto alto: uma cabeça de alho assado. Sou viciado em alho e ele quando assado fica macio e docinho. Delícia.

O couvert é mais do que válido.. É perfeito para começar os trabalhos.. A cabeça de alho assada estava deliciosa!

O couvert é mais do que válido.. É perfeito para começar os trabalhos.. A cabeça de alho assada estava deliciosa!

Pedimos também um par de bruschettas de tomate (R$ 10,90). Recheio saboroso, tomate fresco, alho no ponto certo… Mas o pão estava pesado, massudo e zero crocante. Uma pena. Para beber (não fiz foto), espumante Valduga Rosé Reserva Blush (R$ 67). Muito gostoso.

Recheio muito bem feito, mas o pão massudo matou as bruschettas do Luigi's..

Recheio muito bem feito, mas o pão massudo matou as bruschettas do Luigi’s..

Apesar das opções de carnes e peixes (gostei de algumas), ficamos nas massas caseiras. O primeiro prato era um tagliatelle de tomate e alho (na massa), com molho cremoso de cogumelos frescos (R$ 34,50). Muito saboroso, mas o creme estava meio pesado. Fosse um molho mais leve e seria o ideal.

O tom da massa é dado por tomate e alho durante o preparo.. O molho de cogumelos estava pesado, mas saboroso..

O tom da massa é dado por tomate e alho durante o preparo.. O molho de cogumelos estava pesado, mas saboroso..

O outro prato da mesa foi um ravióli de ricota com espinafre com molho fresco de tomates (R$ 29,50). Simples e muito gostoso. Molho bem correto, assim como a massa em ponto ideal. Uma observação que faço é a ausência de parmesão de qualidade. Faz toda a diferença. Nem que não seja grana padano, mas um bom parmesão ralado na hora é indispensável.

O recheio era ricota e espinafre.. Massa correta com molho fresco e saboroso...

O recheio era ricota e espinafre.. Massa correta com molho fresco e saboroso…

O terceiro prato foi um nhoque de espinafre e ricota ao molho de quatro queijos (R$ 33,50). Não provei este, mas falaram bem. Olhando de longe, o molho me pareceu sofrer o mesmo problema do primeiro ali de cima. Mas disseram que estava saboroso.

A massa é feita com ricota e espinafre e o nhoque veio com molho quatro queijos.. Este é meio prato!

A massa é feita com ricota e espinafre e o nhoque veio com molho quatro queijos.. Este é meio prato!

A sobremesa foi creme brulée (R$ 14,00). A crosta de açúcar é queimada com o maçarico na mesa e isso faz um efeito legal. Mas acabou acontecendo o grande pecado do creme brulée. O calor da chama deixou o creme quente e líquido, estragando o contraste que é a grande diversão desta sobremesa. A base deveria estar mais gelada antes de receber o maçarico.

Diante dos seus olhos, o açúcar é queimado com o maçarico...

Diante dos seus olhos, o açúcar é queimado com o maçarico…

A aparência estava muito boa.. Mas na hora de quebrar a casquinha, o creme estava quente e líquido.. Uma pena..

A aparência estava muito boa.. Mas na hora de quebrar a casquinha, o creme estava quente e líquido.. Uma pena..

Como disse, o Luigi’s é uma boa opção para aquele almoço pós praça ou até mesmo para comer uma massa simples durante a semana. O ambiente é legal e os preços justos. Dúvidas, sugestões, ideias, críticas… Pode mandar lá no Twitter e no Instagram (@GastroEsporte). Até a próxima e em breve a grande novidade!!!! Acompanhe por aqui.

Luigi’s
Rua Senador Correia, 10, Laranjeiras, Rio de Janeiro – RJ
(21) 2205-7343 (21) 2205-7343
Terça a quinta e domingo, do meio-dia à meia-noite.
Sexta e sábado, do meio-dia à 1h

Waffle.. Massa simples, rápida e perfeita para um café da manhã diferente!

Falei no post sobre o “Da Casa da Táta” que não tenho o costume de tomar café da manhã. Mas no fim de semana de folga sempre rola uma vontade de sair ou então de fazer algo diferente em casa (o ovo mexido é uma grande ideia, lembram dele?). No último sábado o impulso me levou a bater uma massa de waffle e comer de tudo quanto é jeito: mel, manteiga, requeijão, parmesão, presunto, chocolate… Combinações não faltam e a receita é a mais simples e prática possível. Dica perfeita para vocês!

Waffle pronto, manteiga, mel, presunto, requeijão... combinações para o seu café...

Waffle pronto, manteiga, mel, presunto, requeijão… combinações para o seu café…

Já disse por aqui também que não tenho o costume de seguir receitas ao pé da letra e acho que cozinha é intuição. Mas em massas e doces não dá para fugir desta regra. Então vamos anotar tudo direitinho para não ter qualquer tipo de erro. A receita é simples e é toda feita no liquidificador. Primeiro entre com os líquidos: dois ovos, um copo de leite e duas colheres de sopa de manteiga. Em seguida os secos: um copo e meio de farinha de trigo, uma colher rasa de sobremesa de sal e uma colher de chá de açúcar. É isso. Basta ligar o liquidificador e deixar batendo até a massa ficar bem lisinha (repare na foto que o copo usado como medida é aquele de requeijão, bem tradicional).

Importante separar todos os ingredientes antes de começar a preparação..

Importante separar todos os ingredientes antes de começar a preparação..

Os líquidos entram primeiro e estão embaixo deste monte de farinha...

Os líquidos entram primeiro e estão embaixo deste monte de farinha…

Liquidificador ligado e em velocidade constante até a massa ficar uniforme...

Liquidificador ligado e em velocidade constante até a massa ficar uniforme…

Depois disso, coloque a massa em um recipiente e adicione três colheres de chá de fermento em pó e misture com uma espátula. Me disseram que não é bom bater o fermento no liquidificador. Como bom ouvinte, processei a informação e estou apenas repassando! Se você tiver paciência pela manhã, algo que não tenho, poderia ter separado as claras das gemas e as batido em neve. Se fizesse isso, elas teriam de ser incorporadas depois do liquidificador. A massa fica ainda mais fofa desta maneira. Mas aí acaba tendo mais louça para lavar.

Depois da massa pronta, coloque o fermento e mexa com uma espátula até ficar todo incorporado..

Depois da massa pronta, coloque o fermento e mexa com uma espátula até ficar todo incorporado..

Feito isso, esquenta a máquina, pincele manteiga para não grudar e faça a festa! Deixe o tempo que você achar necessário: mais torrado, mais molinho… Não importa. De qualquer jeito vai ficar delicioso. É só olhar as fotos.

Com o aparelho já quente, coloque a massa e espere o tempo que você julgar necessário...

Com o aparelho já quente, coloque a massa e espere o tempo que você julgar necessário…

A sugestão salgada: requeijão com presunto fininho.. Delícia...

A sugestão salgada: requeijão com presunto fininho.. Delícia…

Essa aqui é uma sugestão minha. Colocar um punhado de parmesão ralado para assar junto com a massa dá sabor e crocância no waffle. Coisa de maluco!

Uma sugestão é colocar parmesão ralado na hora de assar... fica crocante e delicioso..

Uma sugestão é colocar parmesão ralado na hora de assar… fica crocante e delicioso..

Olha o parmesão como fica crocante dentro da massa....

Olha o parmesão como fica crocante e entranhado na massa….

Para finalizar, chocolate amargo ralado que derrete só no calor do próprio waffle! Demais para coroar o seu café da manhã!

Raspas de um bom chocolate derretem só no calor do próprio waffle..

Raspas de um bom chocolate derretem só no calor do próprio waffle..

É isso, amigos. Esta foi a dica para começar bem o seu dia. Siga ligado no Twitter e no Instagram do blog: @GastroEsporte. E aproveitem para curtir a página no Facebook! Um abraço e até a próxima!

Paleta de Javali assada… Descubra parte dos segredos na longa jornada até Campos!

Comida nos faz cometer certas loucuras. Esta semana foi minha vez. Saí do trabalho rumo à rodoviária e peguei um ônibus para Campos onde mora meu irmão. Até aí tudo bem, mas as chuvas que causaram o caos no Rio na terça fizeram com que a viagem que normalmente dura quatro horas acabasse durando sete, sendo que o busão ficou parado pouco mais de duas horas no mesmo lugar. Desesperador, mas a recompensa seria boa: uma noite de belos vinhos coroada com a paleta de javali assada pelo Doutor e chef André.

As lascas da paleta de javali perfeitamente assada e coroada com o saboroso molho que ganhou toques de pimenta dedo de moça...

As lascas da paleta de javali perfeitamente assada e coroada com o saboroso molho que ganhou toques de pimenta dedo de moça…

O médico provou ser especialista também na cozinha. E misterioso também. Fui com a intenção de acompanhar o processo todo de preparação do javali, mas o chef André não abriu o jogo. Só que sou persistente e arranquei alguns detalhes que vou passar por aqui. A intenção agora é fazer na minha casa e aí sim ensinar todo o passo a passo. Enquanto não faço, vamos ver o que conseguimos arrancar.

Chef André ainda nos presenteou com batatinhas calabresa como entrada antes da paleta...

Chef André ainda nos presenteou com batatinhas calabresa como entrada antes da paleta…

De gosto mais forte do que a carne de porco convencional, o javali pede uma marinada. Estavam lá alho-poró, alecrim, tomilho, cebolas, cenouras, bastante alho, sal, pimenta do reino, salsinha, salsão e duas taças de vinho tinto. A paleta pesava cerca de 2,5 quilos. Coloque os legumes picados grosseiramente em um tabuleiro junto com o vinho e deixe na geladeira de um dia para o outro. Falam em 24 horas. Acho demais. A marinada e os legumes é que vão formar o molho depois.

Hora de ir para o forno em uma assadeira bem vedada com papel alumínio. Temperatura bem baixa, cerca de 160 graus. No mínimo três horas lá dentro. Não se pode ter pressa nesse preparo. A carne precisa soltar do osso. Chef André chegou com ela pré-assada durante estas três horas. Ela foi finalizada em forno alto, sem o alumínio por mais 40 minutos, mais ou menos.

Foram duas paletas que ficaram mais de três horas no forno baixo com os temperos e os legumes..

Foram duas paletas que ficaram mais de três horas no forno baixo com os temperos e os legumes..

Após o forno baixo, finalize em forno alto sem alumínio para deixar a casquinha crocante e caramelizada..

Após o forno baixo, finalize em forno alto sem alumínio para deixar a casquinha crocante e caramelizada..

Vamos ao molho. Após assar a paleta, leve ao fogo a assadeira com os legumes e jogue vinho tinto, caldo de legumes, pimenta dedo de moça e uma colherzinha de farinha de trigo para ajudar a engrossar. Deixe reduzir e passe tudo por uma peneira pressionando bem os legumes cozidos para que o sabor fique marcante. A essência é essa.

O acompanhamento do dia foi uma farofa bem completa. Mas cabe perfeitamente com um couscous marroquino simples ou com batatas assadas.

Antes de ser fatiada, a paleta na mesa com o molho servido separadamente e a farofa ao fundo... Delícia!

Antes de ser fatiada, a paleta na mesa com o molho servido separadamente e a farofa ao fundo… Delícia!

Tudo foi corado com uma bela seleção de vinhos. Passamos por Argentina, Chile, Estados Unidos e África do Sul. De todos, destaque para o blend Del Fin Del Mundo Gran Reserva 2006, o Hartenberg Cabernet Sauvignon/Shiraz 2005 e o frutado americano Chateau Ste Michelle Syrah 2009. Vinhos com personalidade e corpo para acompanhar a carne saborosa com molho de personalidade.

Noite de bela comida e também de belos vinhos.. Tudo harmonizado de maneira perfeita...

Noite de bela comida e também de belos vinhos.. Tudo harmonizado de maneira perfeita…

No fim, o sorriso estava estampado no rosto de todo mundo. Afinal de contas, não dá para não ficar feliz após um belo jantar e muito vinho. O sono dos justos veio no ônibus coroando a loucura direto do jantar. Às 3h começava a viagem de volta. Desta vez sem trânsito e com cansaço acumulado.

Depois de seis garrafas e muita comida, rolou até fanfarronice. No cenro, de blusa clara, o Chef André..

Depois de seis garrafas e muita comida, rolou até fanfarronice. No cenro, de blusa clara, o Chef André..

Espero que tenha dado para ter uma ideia de como fazer. Se não, a culpa é todinha do médico e chef André, que escondeu em sua cozinha de Campos os segredos dos leitores do Gastronomia por Esporte. Mas espero ter conseguido guiá-los e, como disse, prometo fazer minha versão em casa ainda este ano para colocar aqui. E, desta vez, sem longas e cansativas viagens de ônibus. Abraços e até a próxima!

Noite decpecionante em um lugar que não costumava falhar: Prima Buschetteria…

Um dos lugares que mais gosto de frequentar no Rio é a Prima Bruschetteria. Nos primeiros meses, batia ponto lá toda semana. Hoje a assiduidade não é tanta, mas nos momentos de indecisão sobre onde ir costumo lembrar o nome da casa por gostar muito. No entanto minha última experiência foi repleta de decepções, infelizmente. Tiveram acertos sim, mas a frustração no fim das contas foi o saldo da noite do último domingo na unidade do Leblon (existe uma segunda no Fashion Mall, em São Conrado).

A casa... As mesas do lado de fora também são sempre concorridas... Difícil chegar e não encontrar fila..

A casa… As mesas do lado de fora também são sempre concorridas… Difícil chegar e não encontrar fila..

A noite pareceu que seria perfeita. Não só conseguimos uma mesa de cara já que lá está sempre cheio como também arrumamos vaga na porta. Como estava sem beber, abri mão do vinho da casa (razoável , mas com preço muito em conta) ou então de alguma garrafa da carta enxuta. Os drinks que gosto tanto, principalmente o rossini spritz, que leva espumante, morango, hortelã, vodka e club soda, também ficaram fora da mesa.

Acanhado, o salão é bem decorado.. No quadro acima, as sugestões da semana que costumam mudar..

Acanhado, o salão é bem decorado.. No quadro acima, as sugestões da semana que costumam mudar..

As bruschettas são finalizadas em um balcão que dá de frente para o salão..

As bruschettas são finalizadas em um balcão que dá de frente para o salão..

Vamos então para as estrelas da casa: as bruschettas. A primeira que pedi foi o grande acerto da noite: mascarpone, salmão defumado e edução de balsâmico com laranja (R$ 11,70). A combinação estava perfeita. O único porém foi a crocância do pão. Comentei com a garçonete e as outras vieram mais crocantes. Mas o recheio estava muito bom.

A melhor da noite... Os sabores se complementaram perfeitamente.. O defumado do salmão com o doce da redução e a cremosidade do mascarpone formaram uma bela combinação..

A melhor da noite… Os sabores se complementaram perfeitamente.. O defumado do salmão com o doce da redução e a cremosidade do mascarpone formaram uma bela combinação..

O mesmo não se pode dizer da Quattro Fromaggi (R$ 8,90). Me empolguei ao ver o taleggio na combinação que tinha ainda mozzarella, grana padano e gorgonzola. Mas o último sobressaiu e escondeu o sabor dos demais. Gorgonzola é para ser utilizado na medida certa. Acabou sendo demais.

O recheio estava pesado.. O gorgonzola dominou e queijos interessantes como o taleggio e o grana padano mal foram notados..

O recheio estava pesado.. O gorgonzola dominou e queijos interessantes como o taleggio e o grana padano mal foram notados..

Na mesa foi pedida uma de tomates com cogumelos (R$ 8,90). não provei, mas os comentários foram bons.

Essa não provei, mas os relatos foram positivos.. Mas no cardápio há uma de cogumelos cremosos que é muito boa..

Essa não provei, mas os relatos foram positivos.. Mas no cardápio há uma de cogumelos cremosos que é muito boa..

Minha segunda foi de Ragú Toscano (R$ 9,30). Fui convencido pela equipe. De fato o ragú estava gostoso, apesar de carregado na pimenta. Eu gosto, mas se você tem implicância com coisas picantes é melhor escolher outra. A de cogumelos cremosos com grana padano costuma ser muito boa. Mas esse não foi o problema maior. Os cubos de carne vieram muito grandes. Se fosse algo para comer com garfo e faca não teria qualquer problema. Mas não é o caso. Na primeira mordida os pesados cubos caíram do pão que, molhado perdeu a crocância (olha o problema aí de novo!). A solução para isso é muito simples. A cozinha poderia dar uma desfiada. Facilitava para todos.

A foto ficou escura, mas dá para reparar nos cubos grandes do ragú.. Infelizmente em uma bruschetta não pode ser assim...

A foto ficou escura, mas dá para reparar nos cubos grandes do ragú.. Infelizmente em uma bruschetta não pode ser assim…

Veio ainda uma que é sempre tiro certo: burrata cremosa com pesto e tomate cereja (R$ 9,70). Essa não tem como dar errado. A combinação estava muio boa e o pão perfeito.

Essa é tiro certo: burrata cremosa, pesto saboroso e tomates docinhos.. não tem erro..

Essa é tiro certo: burrata cremosa, pesto saboroso e tomates docinhos.. não tem erro..

Outra pedida que acabei não provando, mas que recebeu muitos elogios foi a de parma com pesto e grana padano (R$ 10,20).

Não provei também, mas os relatos foram bons.. Na mesa três pediram esta.. Então devia estar boa..

Não provei também, mas os relatos foram bons.. Na mesa três pediram esta.. Então devia estar boa..

Após a sequência de bruschettas com altos e baixos, fui em outro tiro certo: os risotos. Pedi um pequeno de calabresa na cerveja preta com tomates (R$ 24, o inteiro sai por R$ 41). O ponto do arroz estava certo, a conscistência muito boa, a farofinha de pão com ervas dá um toque perfeito, mas o erro desta vez foi no sal. Estava demais. Realmente uma pena. Outras opções são de camarão com limão siciliano, tomate burrata e manjericão e cogumelos com azeite de trufas (este você vai fazer em casa como eu ensinei, por favor!!!) Os preços são parecidos. Massas também parecem ser interessantes, mas nunca comi.

Cremoso, quente e com farofa de pão italiano saborosa.. Mas o sal em grande quantidade matou o prato..

Cremoso, quente e com farofa de pão italiano saborosa.. Mas o sal em grande quantidade matou o prato..

Fomos então à sobremesa. Pedimos um crepe de Nutella com sorvete de baunilha bourbon e calda de frutas vermelhas (R$ 18). Em função de um erro no sistema de comandas, nosso pedido demorou pouco menos de 30 minutos para chegar. E quando veio, apesar de bonito na foto, voltou para a cozinha cinco minutos depois. Crepe frio, Nutella já seca e sorvete zero cremoso. Uma sucessão de erros. Acho terrível devolver comida, mas realmente estava muito ruim, ainda mais após a longa espera. A equipe compreendeu e pediu desculpas.

A foto ficou boa... Parecia promissor.. Mas tudo estava errado e infelizmente voltou para a cozinha..

A foto ficou boa… Parecia promissor.. Mas tudo estava errado e infelizmente voltou para a cozinha..

Antes da conta a situação mais surreal da noite. Pedimos uma água sem gás e a senhora que me pareceu ser a gerente pediu desculpas e disse que em função do movimento as garrafas haviam acabado. Acho absurdo, mas passível de acontecer. Para compensar ela ofereceu água da bica. Depois percebeu o que havia falado e disse que se tratava da água filtrada dos funcionários. Mas aí já era. A boa intenção acabou sendo meio sem noção.

Foi o que disse no início. A experiência, desta vez, foi muito ruim. Mas não o suficiente para me fazer não voltar lá. Espero que tenha sido um lapso, já que alguns acertos aconteceram. Prefiro acreditar nisso e em breve dar nova chance a essa casa da qual já fui fã número 1.

Twitter? Tá lá no @GastroEsporte.. Instagram? Também! A mesma coisa: @GastroEsporte. Abraços!

Prima Bruschetteria
– Rua Rainha Guilhermina, 95 – Leblon, Rio de Janeiro – RJ, 22441-120 – (21) 3592-0881
Horário: Segunda a quarta: 12h às 0h30
Quinta e sexta: 12h às 1h30
Sábado: 10h às 1h30
Domingo: 10h às 0h30

Da Casa da Táta.. Certeza de boa manhã após um belo café!

Não sou um cara de café da manhã. Sim, isso é errado. Eu sei. Mas nunca tive o costume. Café comigo só mesmo em duas situações: em hotel quando estou viajando ou na rua como um programa para sair de casa. E atualmente essa é uma ideia cada vez mais difundida. São muitas as opções e as localidades. Mas um lugar específico me faria comer após acordar todos os dias: Da Casa da Táta.

A fachada acanhada na Gávea.. A foto foi tirada depois de 12h no sábado.. Por isso não tem gente na porta!

A fachada acanhada na Gávea.. A foto foi tirada depois de 12h no sábado.. Por isso não tem gente na porta!

A acanhada casinha na Gávea é aconchegante, com decoração criativa e, melhor de tudo, com comida maravilhosa a preços mais do que justos se comparado a outras casas. Só tem um defeito por lá, que acontece justamente por mérito: está SEMPRE cheio. E como a casa é pequena e café não é uma refeição que as pessoas fazem com rapidez, a espera pode ser bem longa. Isso só não acontece em duas situações: se você chegar até 8h ou depois de 11h. Entre estes horários vá, mas tenha paciência!

O salão da casa é bem pequeno, mas aconchegante...

O salão da casa é bem pequeno, mas aconchegante… No detalhe o balcão que pode ser utilizado..

Então vou supor aqui que você vá esperar. Logo ao sentar já dá para perceber o clima de casa mesmo. Talheres que não seguem padrão, jogo americano com cartas e fotos aleatórias… No cardápio duas opções de café pré montados. Nunca comi outro sem ser o da Táta, que inclui tudo da primeira opção mais alguns adicionais. É mais do que suficiente para duas pessoas e sai por R$ 27. Estão incluídos um suco, uma bebida quente, cesta de pães, incluindo aí um dos melhores pães de queijo da cidade e uma broa de milho fantástica, uma fatia de bolo (incrível), manteiga, geleia, uma fruta, queijo minas, peito de peru e um pão de passas ou de chocolate. Você pode pedir sanduíches na ciabatta ou na baguete com diversos recheios, omeletes e adicionais variados, entre eles mais algum item dos que você já recebeu ou algo como ovos mexidos (não aconselho: são mais do que comuns. Quer ovo mexido? Faz o que eu ensinei aqui mesmo).

A mesa com jogo americano feito pela própria casa, sem padrão.. O cardápio com capa de pano...

A mesa com jogo americano feito pela própria casa, sem padrão.. O cardápio com capa de pano…

Os frios, peito de peru e queijo minas, e o mamão cortado em formato diferente do habitual...

Os frios, peito de peru e queijo minas, e o mamão cortado em formato diferente do habitual…

Mas vamos aos detalhes e aos motivos de eu achar que vale a pena esperar. Primeiro os pães. Frescos, caseiros e deliciosos. Mas dois itens da cesta valem destaque especial. Um eu já falei: a broa de milho. Também levinha e saborosa, casa perfeitamente com os frios e novamente com a manteiga ou a geleia.

Os pães sempre quentinhos, frescos e crocantes.. Baguete, pão de batata e aberta ali em cima a broa espetacular!

Os pães sempre quentinhos, frescos e crocantes.. Baguete, pão de batata e aberta ali em cima a broa espetacular!

O pão de queijo é brincadeira. Aerado, levinho e muito saboroso. Não é aquela porcaria industrializada e massuda que a gente encontra por aí. Com manteiga fica a perfeição. Por mim ficava sempre nessa dupla!

O pão de queijo é impecável.. Repare que não é massudo e sim leve e aerado.. E a manteiga derretendo? Maldade minha, não?

O pão de queijo é impecável.. Repare que não é massudo e sim leve e aerado.. E a manteiga derretendo? Maldade minha, não?

Mas antes que você se empolgue, faço o alerta: deixe espaço para os doces. Os bolos da Táta formam um capítulo diferente. Falam do de laranja. Também ouvi coisas boas sobre o de milho, de aipim e de cenoura. Mas peço desculpas a eles. O Formigueiro é SEMPRE a minha escolha. E é incomparável. Massa leve e macia, calda saborosa. Um bolo impecável. Sempre termino levando uma fatia extra para casa. Dessa vez não foi diferente. Mas acabei nem encostando já que Seu Cavalierão bateu o olho e devorou sem dó nem piedade me deixando órfão na manhã seguinte. O pão de chocolate também é muito bom, mas nada se compara a esse bolo.

O bolo que é talvez a grande estrela.. Dá para ver pela foto como é fofinho e delicioso.. Ao lado o pão de chocolate..

O bolo que é talvez a grande estrela.. Dá para ver pela foto como é fofinho e delicioso.. Ao lado o pão de chocolate..

Logo na entrada fica esse balcão com bolos variados e pães que você pode levar para casa...

Logo na entrada fica esse balcão com bolos variados e pães que você pode levar para casa…

Um único detalhe que não pode passar despercebido é o atendimento. Costuma ser lento e em alguns casos confuso. Coisas que você acaba relevando justamente em função do número grande de pessoas no fim de semana. Vá com calma, é um café, você está ali para relaxar. Outra coisa que mudaria é a ausência de requeijão. A casa trabalha apenas com cream cheese e tem de ser pedido como adicional.

No fim das contas a satisfação é garantida. Se você quiser esperar, acho que não vai se arrepender. Se não quiser, acorda cedo ou acorda da tarde! Ah! A casa ainda serve almoço e quinzenalmente promove degustação de vinhos. Nunca fui, mas a vontade é grande. Se for como o café é certeza de satisfação garantida. Aproveite a dica e tenha um bom dia!

Da Casa da Táta
Rua Professor Manuel Ferreira, 89 – Gávea  Rio de Janeiro – (21) 2511-0947
Seg a sex, das 8h às 20h; sáb, das 8h às 18h30m; dom, das 9h às 14h

Pastel de forno caseiro.. Massa leve, mole de fazer e com as quantidades certinhas!

Os amigos que acompanham por aqui já perceberam que não sou muito fã de colocar receitas certinhas. Acho que cozinha tem muita relação com gosto e com experiências. Você só vai aprender e evoluir se ficar testando. Em certas horas vai acabar quebrando a cara, o que é perfeitamente normal. Mas quando acerta a felicidade é imensa. E isso é o que importa. Só que essa regra não vale para doces (algo que sou uma nulidade) e massas. Nessa área viro um autêntico aprendiz. E nesta semana, mais uma vez, a professora foi minha “rival” Dona Cavalierona.

No sábado vamos comemorar 1 ano de vida da Clarinha Bochechuda (se alguém me segue no Instagram @rafaelcavalieri já a viu por lá) e toda a comida será feita na nossa cozinha. Incluindo aí algo inédito: pastéis de forno. Dona Cavalierona quis testar uma receita e lá fui eu acompanhar e, é claro, meter a mão na massa.

Vai dizer que não ficaram uma beleza? Simplesmente perfeito e bem tranquilo de fazer os pasteis de forno de frango!

Vai dizer que não ficaram uma beleza? Simplesmente perfeito e bem tranquilo de fazer os pasteis de forno de frango!

Então, como as medidas se fazem necessárias, vou aqui colocar tudo certinho. Primeiro os líquidos. Em uma tigela, junte 300 gramas de manteiga sem sal em temperatura ambiente, 3 gemas e 2 copos de iogurte natural. Dê uma primeira mexida. Em seguida entre com os secos. 700 gramas de farinha de trigo, 1 colher de sopa de parmesão ralado fino (resolvemos colocar um pouco mais pelo sabor) e uma pitadinha de sal. A farinha é bom ir adicionando aos poucos. Se ficar úmido demais, como foi nosso caso, coloque um pouquinho mais.

Manteiga, gemas e o iogurte natural são os líquidos.. O parmesão e o sal vão em seguida..

Manteiga, gemas e o iogurte natural são os líquidos.. O parmesão e o sal vão em seguida..

Com um fouet, dê início ao processo de mistura.., Neste ponto ainda sem farinha..

Com um fouet, dê início ao processo de mistura.., Neste ponto ainda sem farinha..

O início pode ser feito com um fouet ou uma espátula. Mas quando a farinha for inteiramente adicionada inevitavelmente você terá de meter a mão na massa. E aí é ir juntando até ela ficar uniforme e praticamente desgrudando das suas mãos.

Vá adicionando a farinha aos poucos.. É importante não juntar tudo de uma vez para ir sentindo o ponto da massa..

Vá adicionando a farinha aos poucos.. É importante não juntar tudo de uma vez para ir sentindo o ponto da massa..

Tem um momento que não dá para escapar: é mão na massa... Quando começar a soltar fácil está pronto!

Tem um momento que não dá para escapar: é mão na massa… Quando começar a soltar fácil está pronto!

Depois de mexer bem, o objetivo é chegar a uma massa lisa e uniforme como essa belezinha aí da foto.

Depois de mexer e sovar bem, está aí a massa pronta... Ela fica lisa e macia...

Depois de mexer e sovar bem, está aí a massa pronta… Ela fica lisa e macia…

Como não há fermento, não há necessidade de deixá-la descansando. Farinha na mesa para não grudar, rolo na mão e vamos abrir. Por se tratar de um pastel de forno, não pode ser tão fina. A massa é delicada e o  recheio corre o risco de vazar.

Farinha na mesa e rolo na mão.. Não se pode abrir fino.. Ou seja, o trabalho é mais tranquilo..

Farinha na mesa e rolo na mão.. Não se pode abrir fino.. Ou seja, o trabalho é mais tranquilo..

Corte com um molde qualquer, ou um copo caso vocês não tenham, coloque o recheio no centro e feche delicadamente com os dedos. Não há necessidade de passar água nas bordas, mas pode ser feito. Fica ainda mais selado assim.

Corte a massa em formato redondo.. Usei o molde, mas um copo serve...

Corte a massa em formato redondo.. Usei o molde, mas um copo serve…

O recheio é o de sua preferência.. Este foi de frango... Repare na quantidade para sobrar espaço e fechar.. E também na espessura da massa...

O recheio é o de sua preferência.. Este foi de frango… Repare na quantidade para sobrar espaço e fechar.. E também na espessura da massa…

Durante esta etapa, deixe o forno pré-aquecendo a cerca de 180 graus (médio). Com os pasteis prontos, pincele uma gema por cima e polvilhe parmesão ou orégano para dar sabor e estética mesmo. Como a festa é só no sábado, fizemos apenas dois para experimentar. E sim, ficou espetacular. O iogurte deixa a massa bem leve, diferentemente dos pastéis de forno pesados que encontramos por aí. Coisa linda mesmo.

Após fechá-los, pincele o exterior com uma gema batida e polvilhe com algo de sua preferência para dar sabor.. Coloquei parmesão em um e orégano no outro..

Após fechá-los, pincele o exterior com uma gema batida e polvilhe com algo de sua preferência para dar sabor.. Coloquei parmesão em um e orégano no outro..

O recheio

Na verdade você pode colocar o que quiser na massa. Bufala, tomate seco e manjericão? Camarão (eu to fora!!!!)? Queijo com presunto e orégano? Palmito? As opções são muitas. Dá até para fazer doce, com minas e goiabada. Quem sabe? Aí começa a parte que eu gosto da cozinha. Ter uma ideia e sair experimentando. Neste dia fizemos de frango. E aqui, amigos, não temos quantidade não.

Assados no forno médio até ficarem dourados, os pastéis estavam simplesmente perfeitos.. Pimenta e cerveja! Mais nada!

Assados no forno médio até ficarem dourados, os pastéis estavam simplesmente perfeitos.. Pimenta e cerveja! Mais nada!

O peito de frango foi cozido previamente em panela com água e legumes como cenoura, cebola, alho poró.  Tudo para dar sabor. Essa água você pode guardar. É um verdadeiro caldo de frango! Depois de cozido é só desfiar. Em uma panela faça um bom refogado com bastante cebola, alho e azeite. Junte o frango, coloque um pouco de vinho branco para dar sabor e entre em seguida com tomate picado. Um pouco depois entre com uma lata de tomate pelado. Deixe apurar bem o sabor e junte requeijão para deixar cremoso e salsinha picada para dar cor e sabor. É importante o recheio ficar úmido, mas não líquido. Ou então vai vazar no pastel. Sim. Ficou espetacular!

É isso, amigos. Qualquer dúvida pode mandar email ou me procurar no Twitter e no Instagram (@GastroEsporte). Até a próxima!

PS: Post em homenagem a minha querida Nanda, do excelente Pimenta e Limão. Viu, comadre? Não sou só dos gourmets nitrogenados!

Uma noite no Oro.. A minha estreia na cozinha molecular na casa do “Mago” Felipe Bronze..

Poucas coisas no mundo da gastronomia são tão polêmicas como as técnicas moleculares. Eu mesmo achava tudo muito bonito, tinha curiosidade, mas torcia o nariz para me arriscar. Só que não dá para julgar sem conhecer. Então esperei uma data especial e fomos eu e Luninha comemorar nossos dois anos juntos no badalado Oro, de Felipe Bronze, conhecido atualmente como o Mago da Cozinha, seu quadro no “Fantástico”.

Fachada discreta na rua Frei Leandro, no Jardim Botânico.. Ao fundo, o chef na mesa de amigos...

Fachada discreta na rua Frei Leandro, no Jardim Botânico.. Ao fundo, o chef na mesa de amigos…

O ambiente é simples, sem qualquer exagero na decoração. Luna achou impessoal. Eu curti. Prefiro lugares mais discretos. A iluminação, que havia lido ser baixa, estava no tom certo. A cozinha para o salão é outro detalhe legal com um tom meio rosa. É sempre bacana acompanhar a ação. Nas mesas mais afastadas, a vista para a rua Frei Leandro em um janelão também é bacana.

Decoração clean e boa iluminação marcam o Oro, que conta ainda com um segundo andar sem vista para a cozinha..

Decoração clean e boa iluminação marcam o Oro, que conta ainda com um segundo andar sem vista para a cozinha..

Mas vamos ao que interessa. Definido o menu com sete percursos (sim, resolvemos fazer uma graça) e o vinho, era a hora de mergulhar de cabeça no nitrogênio líquido. Quer dizer, melhor deixar isso para a comida. Passadas as restrições de cada um e o pedido de tentar mandar pratos diferentes para conhecermos o máximo da cozinha de Felipe Bronze, chegaram os chamados snacks.

Comandando a cozinha, aberta para o salão.. Felipe Bronze, o Mago, participa da finalização dos pratos na cozinha e também na mesa..

Comandando a cozinha, aberta para o salão.. Felipe Bronze, o Mago, participa da finalização dos pratos na cozinha e também na mesa..

Primeiro uma barriga de porco crocante que derretia na boca. Incrível mesmo. O vinagrete de jerez dava uma acidez bem leve quebrada também por uma gota de geleia de jabuticaba. Em seguida o que Bronze chama de “Alho e Cebola”. Uma pétala de cebola roxa com alho cremoso em esfera e um pingo do que me pareceu um creme de alho assado. O garçom brincou dizendo se tratar de olho de cabra, mostrando o espírito descontraído da casa. Muito diferente perceber a cápsula explodindo. Por fim profiterólis de queijos do Brasil com licuri (uma castanha) caramelizado. Dos três o que eu menos curti. A melhor parte desta composição foi definitivamente o licuri. O resto se perde. talvez se fosse um tiquinho maior, com mais espaço para o recheio, poderia ter se destacado mais.

Barriga de porco, Alho e cebola, o "olho de cabra", e profiterólis com licuri...

Barriga de porco, Alho e cebola, o “olho de cabra”, e profiterólis com licuri…

Que venham os pratos. O meu primeiro foi Açaí salgado com banana confit, tapioca crocante e pó de foie gras. Nunca gostei de açaí. Banana também está longe de ser minha fruta favorita. Mas em um restaurante com menu aberto não se pode ter a cabeça fechada. Vamos nessa. E surpreendeu. Primeiro pelo mise en scene. Assim que o prato chega vem o garçom com a cumbuca de nitrogênio líquido jogar uma surpreendente poeira de foie gras. Na primeira colherada a apreensão foi embora. E digo mais, se açaí como esse for um dia vendido em casas de sucos eu compro após a praia.

Desculpem a foto ruim, mas por baixo do pó de foie gras em nitrogênio está um creme de açaí salgado com banana confitada e tapioca crocante..

Desculpem a foto ruim, mas por baixo do pó de foie gras em nitrogênio está um creme de açaí salgado com banana confitada e tapioca crocante..

Para Luna um camarão com chuchu (eu sou alérgico e não encaro camarões). Sem graça, não? Mas o vinagrete de taperebá líquido e nitrogenado, também colocado em plena mesa, levam o prato para outro nível. Provei as duas preparações e o sabor é surpreendente. Imagino que com o camarão faça uma composição cheia de harmonia já que ele puro era bem ácido como deve ser. E o detalhe é o nome do restaurante cravado no chuchu. Apresentação impecável.

Prato delicado e extremamente bonito.. O vinagrete também veio congelado e a logo da casa "impressa" na lâmina de chuchu..

Prato delicado e extremamente bonito.. O vinagrete também veio congelado e a logo da casa “impressa” na lâmina de chuchu..

Em seguida o primeiro prato em comum da noite. E talvez o mais incrível: Caprese quente e fria. Um domo de tomate seco liofilizado (uma técnica de desidratação em que os sabores se concentram) esconde um naco de burrata com flor de sal, pesto de baru (outro grão brasileiro) em cima de uma fatia de pão de milho. O interior é revelado quando um molho de tomate quente (com um toque de Jerez) é despejado derretendo a cápsula. Um espetáculo para os olhos e uma explosão de sabor a mistura dos tomates. Veja a sequência de fotos para ter uma ideia do que acontece.

Assim chega a caprese em sua mesa.. As aparências enganam...

Assim chega a caprese em sua mesa.. As aparências enganam…

Na sua frente, uma porção de molho de tomate bem quente é despejada em cima da cápsula de tomate seco desidratado.. Ali começa a transformação..

Na sua frente, uma porção de molho de tomate bem quente é despejada em cima da cápsula de tomate seco desidratado.. Ali começa a transformação..

Com o topo derretido, a burrata, o pesto e o pão de milho se revelam... Sabores intensos e marcantes.. Um show!

Com o topo derretido, a burrata, o pesto e o pão de milho se revelam… Sabores intensos e marcantes.. Um show!

O terceiro prato foi para mim o menos impactante em visual e sabor. Trata-se de um falso nhoque no qual Bronze não usa nenhum tubérculo e nem farinha. É um creme de queijo canastra solidificado em cima de um consommé de alho doce. Por cima cogumelos acidulados. O sabor do nhoque era intenso. O consommé estava perfeito. Mas os cogumelos se perdiam e senti falta de textura no prato.

O falso nhoque de queijos foi o que menos me empolgou.. Bons sabores, mas pecou pela falta de textura...

O falso nhoque de queijos foi o que menos me empolgou.. Bons sabores, mas pecou pela falta de textura…

Para Luna um prato excelente. Cavaquinha grelhada com creme de pistache, alcachofra e palmito pupunha crocante. O crustáceo estava no ponto certo, os cremes saborosos e a crocância que senti falta no nhoque sobrava no palmito. Muito bom mesmo.

Grande prato.. A cavaquinha veio no ponto perfeito, o purê de pistache e o fundo de alcachofra bem feitos e o pupunha deu a crocância necessária..

Grande prato.. A cavaquinha veio no ponto perfeito, o purê de pistache e o fundo de alcachofra bem feitos e o pupunha deu a crocância necessária..

O vinho veio do Uruguai. RPF Tannat 2008. Encorpado e frutado no nariz. Custou R$ 100. Poderia ter optado por um vinho mais leve, já que os pratos mais intensos foram os dois últimos. Mas caiu bem ao longo da noite.

O vinho da noite foi o Tannat uruguaio RPF, da Pisano... Encorpado e em um bom preço.. Saiu por R$100..

O vinho da noite foi o Tannat uruguaio RPF, da Pisano… Encorpado e em um bom preço.. Saiu por R$100..

O seguinte gerava grande expectativa. Sou fã confesso de steak tartare e a minha curiosidade em comer um com gema de parmesão e fumaça de churrasco era imensa. A expectativa valeu. A fumaça que vem presa no domo de vidro cumpre o seu papel. A carne estava fresca e bem temperada. E o parmesão em forma de gema era saboroso e surpreendeu.

A primeira visão do prato é essa.. Dentro do domo de vidro está a fumaça de churrasco que quando liberada toma conta do espaço.. Um show de sensações...

A primeira visão do prato é essa.. Dentro do domo de vidro está a fumaça de churrasco que quando liberada toma conta do espaço.. Um show de sensações…

Após a fumaça, o tartar... Carne fresca, bem temperada e uma surpreendente gema de parmesão.. O prato acompanha ainda batatas chips..

Após a fumaça, o tartar… Carne fresca, bem temperada e uma surpreendente gema de parmesão.. O prato acompanha ainda batatas chips..

Luna recebeu mais um grande acerto da noite (sim, este dela estava melhor que o meu!). A posta de filhote (peixe de água doce cada vez mais presente nos cardápios brasileiros) defumado estava cozida de maneira perfeita. Acompanhava uma versão brasileira de Hommus. Ao invés do grão de bico, feijão santarém. O prato tinha ainda um leite de castanha do pará. O hommus surpreendeu. Muito saboroso e bem temperado, com um toque que me pareceu ser zatar, a mistura de especiarias tão comum na comida árabe.

O filhote veio perfeitamente cozido.. A garfada com os três componentes fazia harmonização impecável.. Outro grande prato..

O filhote veio perfeitamente cozido.. A garfada com os três componentes fazia harmonização impecável.. Outro grande prato..

Para finalizar a parte salgada, o segundo prato em comum da noite: Baião de Dois. As carnes foram curadas e cozidas de duas maneiras diferentes. O feijão era novamente de santarém e o arroz era orgânico e de grãos bem miúdos. Em cima um naco de picles de maxixe, que dava bom contraste. O detalhe criativo ficava pelo queijo coalho líquido em pequenas esferas e pela manteiga de garrafa que, novamente em função do nitrogênio, vem em forma de pó, mas com o mesmo sabor.

O Baião de dois antes da manteiga de garrafa.. Reparem no picles e nas esferas de queijo coalho...

O Baião de dois antes da manteiga de garrafa.. Reparem no picles e nas esferas de queijo coalho…

A manteiga de garrafa vem em pó e mais parece um parmesão ralado.. O sabor é o mesmo..

A manteiga de garrafa vem em pó e mais parece um parmesão ralado.. O sabor é o mesmo..

A sobremesa um verdadeiro show. Incrível mesmo. Variações sobre dois temas: chocolate e caramelo. Do primeiro vieram um brownie, apenas correto, um fondant com praliné e sementes torradas de cacau, maravilhoso e sementes com cacau que lembram pipoca. Da parte do caramelo mini pudim de leite, normais, creme brulé de tapioca, excelente, e um creme com toque de canela e com licuri caramelizado. Ah! Não podemos esquecer dos caramelos incríveis com flor de sal negro.

Indescritível a sobremesa.. Um show mesmo em todos os sentidos.. Variações sobre chocolate e caramelo.. O brigadeiro fica na memória..

Indescritível a sobremesa.. Um show mesmo em todos os sentidos.. Variações sobre chocolate e caramelo.. O brigadeiro fica na memória..

Mas tudo isso se perde após duas coisas. A primeira é a bossa: mousse de chocolate tranformada em sorvete na sua frente com o nitrogênio. Exterior duro que nem pedra e interior cremoso. Na boca tudo derrete e se mistura. Mas o mais incrível ficou no simples. Um brigadeiro sem maiores invenções simplesmente me arrebatou. Nunca comi nenhum parecido. Queria entrar lá e levar para casa o estoque. Finalizou uma noite memorável.

Parte ativa de muitos pratos, as finalizações com nitrogênio ocorrem ao lado da mesa.. No caso da sobremesa, mousse virou sorvete na frente dos olhos!

Parte ativa de muitos pratos, as finalizações com nitrogênio ocorrem ao lado da mesa.. No caso da sobremesa, mousse virou sorvete na frente dos olhos!

Reparem a mousse no nitrogênio.. O exterior congelado e duro, mas que derretia na boca e o interior cremoso..

Reparem a mousse no nitrogênio.. O exterior congelado e duro, mas que derretia na boca e o interior cremoso..

No fim, Felipe Bronze aparece na mesa e mostrou muita simpatia ao nos cumprimentar. De papo fácil, se revelou um fã de futebol, torcedor do Fluminense e leitor do GLOBOESPORTE.COM. Com tanto em comum a conversa fluiu. E o pedido por uma foto se mostrou inevitável.

Após uma grande noite, o registro com Felipe Bronze, que se mostrou uma simpatia e um fã de futebol!

Após uma grande noite, o registro com Felipe Bronze, que se mostrou uma simpatia e um fã de futebol!

É caro viver essa experiência, sem dúvidas. O nosso menu com sete cursos sai por R$ 220. Você pode optar por três, sem incluir sobremesa, a R$ 120, cinco a R$ 190, nove a R$ 290 (nesse está incluída a sobremesa chamada “Bosque”, toda montada na sua frente) e o menu do chef com 16 pratos feito somente com reserva antecipada. Todas as opções podem ser harmonizadas com vinhos selecionados por Cecilia Aldaz, premiada e igualmente simpática sommeliére da casa. O acréscimo se dá em função do menu escolhido.

Mas se você puder, vale viver uma noite como essa. É algo diferente, por vezes inusitado, mas certamente muito divertido. E, como já disse, saboroso. De nada adiantaria espetáculos pirotécnicos se não houvesse sabor. E isso há. E, nesse dia 3 de janeiro especificamente, o tempero da data especial coroou a inesquecível noite. Até a próxima!

Oro
Rua Frei Leandro, 20 – Jardim Botânico – Rio de Janeiro
21-7864-9622
Horário: Segunda à quinta, das 19h30 à 0h. Sextas e sábados , das 19h30 às 0h30.

Crisps de Parma: fácil de fazer e perfeito para deixar seu prato em outro nível!

Tem certas coisas que são práticas e simples de fazer e levam sua refeição para outro nível. Quer uma? Crisps de presunto parma. Em mais ou menos 20 minutos eles ficam prontos e dão um toque mais que especial em uma massa, um risoto ou até por cima de um filé com algum tipo de molho. Traz crocância e sabor, além de temperar já que o parma é bem salgadinho. Neste dia ele foi quebrado e polvilhado em cima de um risoto de alho poró.

Neste dia os crisps foram picados e deram a textura e o sabor a um risoto de alho poró..

Neste dia os crisps foram picados e deram a textura e o sabor a um risoto de alho poró..

Vamos ao modo de fazer então. Pegue fatias de parma, de preferência cortadas bem finas. Como serão assadas, não há necessidade de comprar o espanhol ou o italiano, normalmente bem mais caros. Estes você deixa para comer ao natural mesmo. No meu caso comprei o parma nacional mesmo e serviu perfeitamente.

Presunto cru cortado fino é fundamental para a receita..

Presunto cru cortado fino é fundamental para a receita..

Disponha as fatias em um tabuleiro. Não há necessidade de untar já que ele vai perder gordura. Enquanto isso deixe o forno aquecendo. Coloquei o meu em 190 graus, ou seja, médio.

As fatias ficam dispostas em um tabuleiro no qual nem se faz necessário untar..

As fatias ficam dispostas em um tabuleiro no qual nem se faz necessário untar..

Para mantê-las retinhas no caso de querer utilizá-las em decoração, coloque outro tabuleiro por cima com um peso. Desta maneira, ao começar a perder gordura, o presunto não irá encolher. Como visto na foto, utilizei a tampa de uma panela. Depois disso é forno por mais ou menos 20 minutos. Confira depois de 15 para não deixar queimá-los.

Um segundo tabuleiro vai por cima com peso.. A panela não deixa ele mudar o formato..

Um segundo tabuleiro vai por cima com peso.. A panela não deixa ele mudar o formato..

Tirado o peso, elas ficam assim: retinhas, crocantes e prontas para comer. Pode servir até assim, purinho como um biscoito.

Após cerca de 20 minutos as fatias estão retas e crocantes! Aí é utilizar como quiser..

Após cerca de 20 minutos as fatias estão retas e crocantes! Aí é utilizar como quiser..

Como disse, utilizei em um risoto de alho poró muito simples de fazer. Antes de começar o arroz (que você pode relembrar como fazer neste post), refogue dois talos de alho poró com dois dentes de alho picados em azeite. O fogo é baixo para ele murchar e não queimar. Tem de ter paciência e ficar de olho. A ideia é intensificar o sabor e reduzir o tamanho. Depois de pronto, tire, reserve e coloque no risoto um pouco antes de finalizá-lo com manteiga e parmesão. Prontinho!

Qualquer dúvida mande e-mail (gastronomiaporesporte.gmail.com) ou lá no Twitter (@GastroEsporte). Já conferiu o Instagram? É @GastroEsporte também! Abraços e até a próxima!

Feliz 2013 para todos! A ceia do ano novo em fotos! Invejem!

Hoje não tem receitas e nem críticas. O primeiro post de 2013 tem como único objetivo deixar os amigos que acompanham o Gastronomia por Esporte com inveja. A ceia da virada organizada com a competência de sempre pela Dona Cavalierona contou com tudo que é necessário para trazer sorte e bons fluídos no ano novo.

Mesa posta, garfos na mão e muita comida para trazer sorte em 2013!

Mesa posta, garfos na mão e muita comida para trazer sorte em 2013!

Estava lá o bacalhau, este ano patrocinado por Dona Cilia, a avó da Luninha, outra grande cozinheira.

Bacalhau em postas, brócolis, cebola e purê de batata gratinado... Receita da vó da Luninha!

Bacalhau em postas, brócolis, cebola e purê de batata gratinado… Receita da vó da Luninha!

O arroz de lentilhas simplesmente espetacular com cebolas crocantes.

A receita da Dona Cavalierona.. Arroz de lentilhas maravilhoso com muita cebola crocante...

A receita da Dona Cavalierona.. Arroz de lentilhas maravilhoso com muita cebola crocante…

Lombinho, outra tradição.. O molho foi simplesmente devorado! Ao lado farofa de bacon e frutas secas…

O lombinho estava molhadinho e o próprio molho do cozimento foi servido a parte..

O lombinho estava molhadinho e o próprio molho do cozimento foi servido a parte..

Saladas… Tabule, peito de peru com abacaxi e milho (melhor que a do Gula Gula).

Peru, milho e abacaxi, salpicão de frango e tabule.. Para quem curte algo fresco e leve..

Peru, milho e abacaxi, salpicão de frango e tabule.. Para quem curte algo fresco e leve..

Este é o Frango braseado em frutas secas que aprendemos na aula com a Roberta Sudbrack…

Receita da Chef Roberta Sudbrack.. Frango Braseado em Frutas Secas.. O grande sucesso da noite!

Receita da Chef Roberta Sudbrack.. Frango Braseado em Frutas Secas.. O grande sucesso da noite!

Espumante não faltou a noite inteira. Muitas borbulhas, como vocês podem ver pelo cemitério das garrafas!

Valduga Arte, Cave Geisse, Chandon... Não faltaram borbulhas na casa!

Valduga Arte, Cave Geisse, Chandon… Não faltaram borbulhas na casa!

No fim das contas, o que vale é a alegria. Obrigado aos que vieram! A festa foi muito bonita e contou com muitas presenças ilustres!

Obrigado a todos que vieram! Grande virada e grande ano para todos vocês!

Obrigado a todos que vieram! Grande virada e grande ano para todos vocês!

Algumas das receitas eu postarei neste ano por aqui. Principalmente o frango e o arroz de lentilhas. No mais, amigos, um feliz ano novo para todos. Espero que tenham curtido o lançamento do blog. Eu pelo menos estou curtindo demais e em 2013 prometo algumas novidades.

Beijo em todos. Saúde, paz, luz e muita comida e bebida! Ah! Não custa lembrar que o Gastronomia por Esporte está no Twitter e no Instagram (@GastroEsporte)!